A NEORURALIDADE EM ARAGUARI-MG FRENTE ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AO DESENVOLVIMENTO RURAL NO BRASIL

Publicado
2020-07-22
Palavras-chave: Modernidade agrícola, Desenvolvimento rural, Ruralidade

    Autores

  • César Antonio de Oliveira IMEPAC

Resumo

A economia brasileira se modernizou bastante durante o século XX, principalmente na sua segunda metade, mas esta modernização, na maioria das vezes reativa aos ditames do capitalismo mundial, trouxe uma série de sequelas de caráter socioeconômico que intensificaram as disparidades regionais, setoriais e sociais. A opção pela industrialização como ideal de desenvolvimento econômico relevou as atividades produtivas rurais a, no mínimo, um segundo plano, estabelecendo-se, então, um amplo embate entre o industrial-urbano-moderno e o agrícola-rural-arcaico. Todavia, quando, no seu circuito de acumulação, o capital necessitou da exploração do rural, implementou-se um grande número de políticas públicas que traziam no seu conceito o desenvolvimento rural no Brasil. Estas políticas, na verdade e na prática, nada mais fizeram do que reproduzir no setor rural os mesmos mecanismos de exploração do capitalismo industrial, com intensa incorporação de capital à produção agrícola, desestabilizando as atividades de agricultura de pequeno porte, voltadas à subsistência familiar ou aos mercados regionais e locais. Criou-se um novo paradigma de ruralidade, neste ensaio denominado de neoruralidade, atrelado aos preceitos da reprodução capitalista moderna no setor agrícola, basicamente vinculado ao chamado agronegócio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRANDÃO, Carlos A. Revisitando a questão das diversidades regionais. Revista Economia Ensaios, Volume 10, nº 2. Uberlândia, IE/Edufu, 1996.

CARDOSO, Alessandra. Dicotomia rural-urbano, economia local e pluriatividade. Revista Economia Ensaios, Volumes 12/13, nos 2/1. Uberlândia, IE/Edufu, 1998.

DELGADO, Guilherme C. Perspectivas para o desenvolvimento rural brasileiro nos próximos anos. Revista Economia Ensaios, Volumes 6/7, nos 2/1. Uberlândia. IE/Edufu, 1992.

GRAZIANO DA SILVA, J. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: IE/UNICAMP, 1996.

GRAZIANO DA SILVA. O novo rural brasileiro. In: SHIKI, GRAZIANO DA SILVA & ORTEGA. Agricultura, meio-ambiente e a sustentabilidade do cerrado brasileiro. Uberlândia, UFU/UNICAMP/EMBRAPA, 1997.

GRAZIANO DA SILVA. Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura. São Paulo: HUCITEC, 1981.

MEDEIROS, Rosa Maria Vieira. Ruralidades: novos significados para o tradicional rural. In: Dinâmicas do espaço agrário: velhos e novos territórios. Porto Alegre: NEAG, UFRGS, 2017.

MINGIONE, E. & PUGLIESE, E. A difícil delimitação do “Urbano” e do “Rural”: alguns exemplos e implicações teóricas. Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 22, 1987.

PESSÔA, Vera Lúcia S.; INOCÊNCIO, Maria Erlan. O PRODECER (re)visitado: as engrenagens da territorialização do capital no Cerrado. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária. Edição especial do XXI ENGA-2012, p. 1-22, jun. Uberlândia: IG/UFU, 2014.

SCHNEIDER, Sérgio. Situando o desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Rev. Econ. Polit. vol.30 no. 3. São Paulo Jul./Set., 2010.

VEIGA, J. E. da. O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Brasília: Convênio FIPE – IICA (MDA/CNDRS/NEAD), 2001.

Como Citar
DE OLIVEIRA, C. A. A NEORURALIDADE EM ARAGUARI-MG FRENTE ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AO DESENVOLVIMENTO RURAL NO BRASIL. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 4, n. 7, p. 39-46, 22 jul. 2020.