DIFICULDADES NO ALEITAMENTO MATERNO EM ARAGUARI/MG

Publicado
2018-12-27
Palavras-chave: Mães, Crianças, Aleitamento materno

    Autores

  • Anna Karolinna Magalhães Cavalcante
  • Dayane Cristina Cristina de Lima
  • Karla Cristina Walter
  • Luana Thomazetto Rossato Professor Adjunto IMEPAC

Resumo

O aleitamento materno (AM) é uma prática que atende às necessidades nutricionais da criança, além de trazer diversos benefícios. A recomendação é que o AM seja exclusivo até os seis primeiros meses, cujo período é comum encontrar mães com dificuldades. Assim, o objetivo do estudo foi descrever a prevalência de dificuldades com o AM enfrentadas por mães de crianças com até seis meses e as principais fontes de informação sobre AM que as mães obtiveram. Foi realizado um estudo transversal nas Unidades Básicas de Saúde da Família do município de Araguari, MG, atendidas pelo Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica, com mães de crianças de até seis meses de vida. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário com questões sobre a última gestação, AM e dificuldades enfrentadas. A maioria das mulheres entrevistadas eram adultas jovens, casadas, tinham em média dois filhos e a apresentavam nível médio de escolaridade. Foram entrevistadas 47 mães, das quais 59,57%(n=28) apresentaram algum tipo de dificuldade, sendo as principais: dor, ingurgitamento mamário, fissura, mamilo plano/invertido e mastite. Concluindo, a maioria das mães entrevistadas apresentaram dificuldades em relação ao AM, situação que é relacionada com o desmame e/ou introdução alimentar precoce.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAMINHA, M. F. C.; SERVA, V. B.; DOS ANJOS, M. M. R.; BRITO, R. B. S.; LINS, M. M.; BATISTA FILHO, M. Aleitamento Materno Exclusivo Entre Profissionais De Um Programa Saúde Da Família. Ciênc. saúde coletiva, 2011. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S1413- 81232011000400023. Acesso em: 20/06/2018.

CASTELLI, C.; MAAHS, M.; ALMEIDA, S. Identificação Das Dúvidas E Dificuldades De Gestantes E Puérperas Em Relação Ao Aleitamento Materno. Rev. CEFAC. V. 16, n. 4, p. 1178-1186, 2014.

COSTA, A.G.V.; SABARENSE, C. M. Modulação E Composição De Ácidos Graxos Do Leite Humano. Rev. Nutr., Campinas, v. 23, n. 3, p. 445-457, maio/jun., 2010.

DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Registo Do Aleitamento Materno – RAM. Relatório - Janeiro A Dezembro De 2013. Direção-Geral Da Saúde. Divisão de Saúde Sexual, Reprodutiva, Infantil e Juvenil Mama Mater. Associação pró Aleitamento Materno em Portugal. Disponível em: https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/iv-relatorio-com-os-dados-doregisto-do-aleitamento-materno-2013.aspx. Acesso em: 23 de novembro de 2018. 2014.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF). The State Of The World's Children 2014 In Number: Every Child Counts. New York, 2014. 116p.

GUIMARÃES, L. M.; DA SILVA, L. R.; MAQUES, L. F. Management Of Breastfeeding For Mothers Nursing Profesionals, Which Work In A Maternety. J Nurs UFPE on line, Disponível: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/r evista/article/view/2669/pdf_1420. Acesso em: 20/06/2018. 2012.

GIUGLIANI, E. R. J. Problemas comuns na lactação e seu manejo. Jornal de pediatria. Rio de Janeiro. Vol. 80, s. 5 (nov. 2004), S. 147-154, 2004.

GOVERNO DO BRASIL. Amamentação Gera Benefícios Para Famílias, Sociedade E Contas Públicas. Disponível: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2018/05/amamentacao -gera-beneficios-para-familias-sociedades-e-contas-publicas. Acesso em: 14/10/2018. 2018.

GUSMÃO, A. M.; BÉRIA, J. U.; GIGANTE, L. P.; LEAL, A. F.; SCHERMANN, L.B. Prevalência De Aleitamento Materno Exclusivo E Fatores Associados: Estudo Transversal Com Mães Adolescentes De 14 A 16 Anos Em Porto Alegre, Rs, Brasil. Cien Saude Colet, v. 18, n. 11, p. 3357-3368, 2013.

GREINER, T. Possibilidades E Limitações Da Amamentação Entre Mulheres Trabalhadoras Formais. Rev Saúde Pública; v. 31, n. 2, p. 149-156, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde da criança: Aleitamento Materno E Alimentação Complementar. Departamento de Atenção Básica. 2.ed. Brasília; 2015.

MINISTERIO DA SAÚDE. Implantação Da Estratégia. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/saude-da-familia/implantacao-da-estrategia. Acesso em: 19/06/2018.

MINISTERIO DA SAÚDE. Leite Materno: Saiba A Importância E Como Doar.Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/aleitamento-materno/doacao-de-leite-materno. Acesso em: 20/06/2018.

NORONHA, J. C.; LIMA, L. D.; MACHADO, C. V. Sistema Único de Saúde-SUS. Políticas E Sistemas De Saúde No Brasil. 2008. p. 435-472.

OLIVEIRA, T. A Importância Do Aleitamento Materno. Disponível em:https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/173227/TALITA%20SILVA%20de%20OLIVEIRA%20-%20SMNL%20-%20tcc.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 08/06/2018.

PRATES, L. A., SCHMALFUSS, J. M.; LIPINSK, J. M. Problemas E Condutas Adotadas Por Puérperas Durante A Lactação. Rev enferm UFPE online., Recife, v. 9, n. 2, p. 500-508, 2015.

SANTOS, S. Dificuldades Para O Predomínio Do Aleitamento Materno Exclusivo Nos Seis Primeiros Meses De Vida. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle /123456789/173162. Acesso em: 08/06/2018.

SCHINCAGLIA, R., OLIVEIRA, A. C.; SOUSA, L. M.; MARTINS, K. A. Práticas Alimentares E Fatores Associados À Introdução Precoce Da Alimentação Complementar Entre Crianças Menores De Seis Meses Na Região Noroeste De Goiânia. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 24, n. 3, p. 465-474, 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). 54th World Health Assembly; Geneva; 2001.

Como Citar
CAVALCANTE, A. K. M.; DE LIMA, D. C. C.; WALTER, K. C.; ROSSATO, L. T. DIFICULDADES NO ALEITAMENTO MATERNO EM ARAGUARI/MG. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 3, n. 6, p. 34-40, 27 dez. 2018.