Análise do conhecimento dos Acadêmicos de Medicina do IMEPAC acerca do atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência

Autores

  • Joselle Freitas IMEPAC Araguari
  • Amanda Cordeiro
  • Fernando Soares
  • Gabriela Gonçalves
  • Renato Urzedo

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v7i14.346

Palavras-chave:

Atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência, Alunos de Medicina

Resumo

Estudo epidemiológico observacional descritivo. Objetivo: analisar o grau de conhecimento dos alunos do curso de Medicina do Centro Universitário IMEPAC Araguari a respeito do atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência e entender os principais fatores influenciadores na visão dos alunos. Metodologia: Este trabalho foi empreendido no IMEPAC em Araguari e a coleta de dados se deu através de questionário aplicado aos alunos do primeiro ao décimo segundo períodos do curso de Medicina, devidamente matriculados no segundo semestre de 2021. Os dados obtidos foram analisados, tabulados e organizados por meio dos softwares Excel e Word, no formato de tabela e ou gráficos. Resultados: 97,47% dos acadêmicos compreendem a importância de se conhecer sobre o Atendimento Pré-Hospitalar, e 31,41% dos estudantes já fizeram algum curso sobre o tema oferecido pelo IMEPAC. Entretanto, 69% não se sentem preparados para tal atendimento, sendo que 95,31% têm interesse em realizar um curso de APH. Também, os resultados apontam que à medida que os alunos avançam no curso, o conhecimento específico é maior. Conclusão: os acadêmicos do curso de Medicina do IMEPAC Araguari sabem da importância do conhecimento a respeito do atendimento pré-hospitalar emergencial e à medida que os alunos avançam de períodos ao longo do curso, eles se sentem mais preparados e confiantes em um APH. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBINO, R.M.; RIGGENBACH, V. Atendimento hospitalar inicial ao politraumatizado. Arquivos Catarinenses de Medicina. Santa Catarina, 2004.

AMERICAN HEART ASSOCIATION (AHA). Destaque das Diretrizes da American Heart Association 2015 para RCP e ACE. Guidelines CPR e ECC 2010. Disponível em:< https://www.icscyl.com/ics/textos//guidelines-rcp-aha-2015-full.pdf. Acesso em: 30 de outubro de 2021.

BASTOS, T.R. et al. Conhecimento de Estudantes de Medicina sobre Suporte Básico de Vida no Atendimento à Parada Cardiorrespiratória. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 44, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.4-20200123

Brasil. Ministério da Justiça. Decreto-Lei N°2.848, de 7 de Dezembro de 1940. Rio de Janeiro, 1940.

CASTRO, L.H.A. et al. Política, planejamento e gestão em saúde. Atena. Ponta Grossa, 2020. DOI: https://doi.org/10.22533/at.ed.913202708

CFM. Conselho Federal de Medicina. Código de Ética Médica. Resolução CFM nº 2217/2018. Brasília, 2019.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Parecer n°47. Brasília, 1995.

CRUZ, A.R. atendimento pré-hospitalar: uma abordagem sobre a formação específica do enfermeiro. UFMG. Conselheiro Lafaiete, 2014.

DE JESUS, L.M.S. et al. Características dos Usuários de Serviços de Urgência. Humanidades & Inovação, v. 5, n. 2, 2018.

DE OPERAÇÕES TERRESTRES, Brasil Exército Comando. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Básico. 2020.

Instrução Técnica Operacional n.23 - Protocolo de Atendimento Pré-Hospitalar. Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais. 169p. Belo Horizonte, 2013.

DE SOUSA RODRIGUES, M.; GALVÃO, I.M. Estudantes de medicina dos três primeiros anos são os principais ingressantes na Liga Acadêmica de Medicina de Urgência e Emergência. Revista de Medicina, v. 96, n. 3, p. 136-139, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v96i3p136-139

DIAS, J.M.C. et al. Perfil de atendimento do serviço pré-hospitalar móvel de urgência Estadual. Cogitare Enferm, 2016. DOI: https://doi.org/10.5380/ce.v21i1.42470

FERREIRA, A.D. et al. Avaliação dos alunos sobre o atendimento pré-hospitalar por meio de simulação. Faculdade de Medicina da Bahia – UFBA. Salvador, 2015.

GONTIJO, M.S.G. et al. Simulação realística no ensino do atendimento pré-hospitalar: debriefing. Brazilian Journal of Development, v.7, n.8, p.83409-83418. Curitiba, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n8-513

LIMA, L.L.R; BANDEIRA, M.M. grau de conhecimento dos estudantes de medicina do sexto ano sobre o atendimento inicial ao paciente queimado em Teresina–Piauí, 2019.

MAIA, E.R. et al. Conhecimentos em atenção pré-hospitalar e suporte básico de vida por estudantes recém-ingressos de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 38, n. 1, p. 59-64, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000100008

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 5. ed. Atlas. São Paulo, 2002.

MÁXIMO, G. et al. Avaliação do ensino e aprendizagem de noções básicas de tratamento de queimados entre alunos do curso de medicina. Rev. bras. cir. plást, p. 541-549, 2017.

MENA, H. et al. Urgência e Emergência: os conceitos frente às normas administrativas e legais e suas implicações na clínica médica. Saúde, Ética & Justiça. 2017.

NASCIMENTO, E.F. Cartilha de primeiros socorros para profissionais da engenharia florestal. 2015.

PEREIRA, M.G. Métodos empregados em epidemiologia. Epidemiologia: teoria e prática. 1. ed. Guanabara: p.269- 288. Rio de Janeiro, 1995.

PEREIRA, W.A.P; LIMA, M.A.D.S. O trabalho em equipe no atendimento pré-hospitalar à vítima de acidente de trânsito. Rev. da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000200010

ROCHA, E.C.A. Atuação da enfermagem em urgências e emergências. Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento. Disponível em:<http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/atua%C3%A7%C3%A3odaenfermagememurg%C3%AAncias-e-emerg%C3%AAncias>. 2012. Acesso em: 17 de julho de 2020.

RODRIGUES, A.L.; ANDRADE, A.P. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência sob a ótica da população atendida. ReTEP, 2019.

ROLDÃO, A.C.C.M.; OLIVEIRA, F.M. Percepção do conhecimento sobre parada cardiorrespiratória dos graduandos em medicina de uma universidade pública com metodologia ativa de ensino. 2018.

SILVA, Z.A. Trauma cranioencefálico: intervenções do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar. Revista Científica de Enfermagem. São Paulo, 2019. DOI: https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2019.9.27.46-53

TEDESCHI, L.T. et al. A experiência de uma liga acadêmica: impacto positivo no conhecimento sobre trauma e emergência. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 45, 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

FREITAS, J.; ALMEIDA CORDEIRO, A. .; DIAKSON GONTIJO SOARES, F.; BOLÍVAR GONÇALVES, G.; FREITAS URZEDO, R. Análise do conhecimento dos Acadêmicos de Medicina do IMEPAC acerca do atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 7, n. 14, 2022. DOI: 10.47224/revistamaster.v7i14.346. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/346. Acesso em: 28 maio. 2024.