EPIDEMIOLOGIA DA TUBERCULOSE EM ARAGUARI - MG

Publicado
2020-07-22
Palavras-chave: Tuberculose; Epidemiologia; Recidiva;

    Autores

  • Adriana Rodrigues Pessoa Londe Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Driely Bagliano Honorato
  • Damila Barbieri Pezzini
  • Juan Filipe Teixeira Naue
  • Patrícia da Fonseca Ribeiro
  • Gabrielle Santiago Silva
  • Larissa Martins Leite
  • Rafael Leal Freire

Resumo

A tuberculose perdura no Brasil há séculos, isso a faz merecer maior atenção dos profissionais de saúde e da sociedade como um todo. Apesar de já existirem recursos tecnológicos qualificados, com o intuito de promover sua erradicação, ainda não há perspectiva de obter a cura. A Organização Mundial de Saúde (OMS), em relatório divulgado em 2016, aponta a Tuberculose (TB) como a doença infecciosa mais mortal do planeta, superando a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), fato que evidencia a necessidade de se repensar as estratégias de prevenção e controle desta patologia. Embora o Brasil apresente baixa incidência e mortalidade por TB, é preciso investir em políticas públicas que combatam a determinação social dessa
doença, pois o país ainda apresenta problemas/falhas de tratamento. Dessa forma, o objetivo do presente estudo, de cunho descritivo e abordagem qualitativa e quantitativa, é o de discutir o trabalho do setor de epidemiologia da cidade de Araguari-MG no combate à TB. O estudo se baseia nos dados notificados nos últimos 7 anos pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), e visa identificar se existe abandono de tratamento e se este provoca recidiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARREIRA, Draurio. Os desafios para a eliminação da tuberculose no Brasil.

Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, n. 1, p. 1-4, Mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de

Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral de Doenças Endêmicas. Área Técnica

de Pneumologia Sanitária. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Brasília,

DF: Ministério da Saúde, 2018.

JUNGES, José Roque; BURILLE, Andréia; TEDESCO, Jiocasta. Tratamento

Diretamente Observado da tuberculose: análise crítica da descentralização. InterfaceComunicação, Saúde, Educação, v. 24, p. e190160, 2019.

SÁ, Antonia Margareth Moita et al. Causas de abandono do tratamento entre portadores

de tuberculose. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 15, n. 3, p.

-160, 2017.

SANTOS ALVES, Rayanne et al. Abandono do tratamento da tuberculose e

integralidade da atenção na estratégia saúde da família. Texto & Contexto

Enfermagem, v. 21, n. 3, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global tuberculosis report 2014.

Geneva: WHO, 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global tuberculosis report 2018.

Geneva: WHO, 2018.

Como Citar
RODRIGUES PESSOA LONDE, A.; BAGLIANO HONORATO, D. .; BARBIERI PEZZINI, D. .; FILIPE TEIXEIRA NAUE, J.; DA FONSECA RIBEIRO, P. .; SANTIAGO SILVA, G.; MARTINS LEITE, L.; LEAL FREIRE , R. . EPIDEMIOLOGIA DA TUBERCULOSE EM ARAGUARI - MG. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 4, n. 8, p. 45-48, 22 jul. 2020.