FATORES ASSOCIADOS AO ATRASO VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS

Autores

  • Deborah Helena Kichese Silva Santos IMEPAC
  • Luisa Sampaio Maciel
  • Neide Alves Almeida Alvarenga
  • Raphael de Sousa Dantas Azarias
  • Paula Fleury Jubé Leal
  • Vitória Santana de Azevedo Cardoso
  • Ricardo Pedrosa Ribeiro
  • Magda Regina Silva Moura Centro Universitário IMEPAC

DOI:

https://doi.org/10.5935/2447-8539.20190019

Palavras-chave:

Imunizações; Atraso Vacinal; Saúde da Criança.

Resumo

O monitoramento de taxas de Esquemas de Vacinação Atrasados (EVA) e das Oportunidades Perdidas de Imunização (OPI) e fatores associados tem grande importância para a saúde pública. Objetivos desse estudo: calcular as taxas de EVA e OPI em crianças de 0 a 2 anos e os  fatores associados, em Araguari-MG. Foram avaliados cartões de vacinas de amostra de conveniência de 185 crianças em 15 Unidades de Saúde  entre 01/08/2018 e 31/07/2019, através de  questionário sociodemográfico com informações dos responsáveis pelos menores,  conhecimento de vacinas, OPI e EVA. A estatística descritiva resumiu os dados. A correlação de Spearman verificou correlações entre dados sociodemográficos e EVA. O X2 verificou se existem diferenças significativas entre os dados categóricos. A taxa de EVA e OPI foram de 62,2% e 24,9% respectivamente. Os EVA mais frequentes foram nas doses após 12 meses de vida. O mais comum para EVA foram o esquecimento (28,7%) e as doenças nas crianças (27%). Não foram encontradas correlações entre as variáveis sócio demográficas e econômicas e EVA. Conclui-se que Araguari, apresenta uma taxa de EVA acima da recomendação pela OMS principalmente nas doses  a partir de 12 meses de vida. A mãe foi a principal responsável pelo calendário vacinal .

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Deyse R.S; LORENZINI, Elisiane; SILVA, Eveline F. Conhecimento de mães sobre o calendário de vacinação e fatores que levam ao atraso vacinal infantil. Cogitare Enfermagem, v. 19, n. 1, 2014. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/4836/-483647660014/>. Acesso em: 22 abr. 2018.

BARBIERI, Carolina Luisa Alves; COUTO, Márcia Thereza; AITH, Fernando Mussa Abujamra. A (não) vacinação infantil entre a cultura e a lei: os significados atribuídos por casais de camadas médias de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, [s.l.], v. 33, n. 2, p.1-12, 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00173315.

BARROS, Marla G.M et al . Perda de oportunidade de vacinação: aspectos relacionados à atuação da atenção primária em Recife – Pernambuco 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 24(4):701-710, out-dez 2015 doi: 10.5123/S1679-49742015000400012

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

BUJES, M.K; SILVA, J.O. Motivos do atraso vacinal em crianças e estratégias utilizadas para amenizar o problema - uma pesquisa bibliográfica 2012. Disponível em https://lume.ufrgs.br/handle/10183/56819 . acesso em 16/11/2019

COCHRAN, W. Sampling Techniques. 3. ed. New York: John Wiley & Sons, 1986

ESCOBAR-DÍAZ, Fabio; OSORIO-MERCHÁN, May Bibiana; LAHOZ-RESTREPO, Fernando de. Motivos de no vacunación en menores de cinco años en cuatro ciudades colombianas. Revista Panamericana de Salud Pública, [s.l.], v. 41, p.1-6, 20 dez. 2017. Pan American Health Organization. http://dx.doi.org/10.26633/rpsp.2017.123.

ESKOLA, Juhani et al. How to deal with vaccine hesitancy? Vaccine, [s.l.], v. 33, n. 34, p.4215-4217, ago. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.043.

GUARDA, Kaliny Xavier da; SILVA, Giuliana Thaíse Araújo da; VILLELA, Edlaine Faria de Moura. Panorama da cobertura vacinal brasileira com enfoque no município de Jataí, Goiás entre 2011 e 2015. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, [s.l.], v. 8, n. 1, 12 jan. 2018. APESC - Associacão Pro-Ensino em Santa Cruz do Sul. http://dx.doi.org/10.17058/reci.v1i1.9001.

GENTILE, Angela et al, Esquemas atrasados de vacunación y oportunidades perdidas de vacunación en niños de hasta 24 meses: estudio multicéntrico, Archivos argentinos de pediatría, v. 109, p. 219–225, 2011.. Disponível em: < https://www.sap.org.ar/docs/publicaciones/archivosarg/2011/v109n3a06.pdf> Acesso em: 6 out. 2019.

HORTAL, María; FABIO, José Luis di. Rechazo y gestión en vacunaciones: sus claroscuros. Revista Panamericana de Salud Pública, [s.l.], v. 43, p.1-5, 7 jun. 2019. Pan American Health Organization. http://dx.doi.org/10.26633/rpsp.2019.54.

JARRETT, Caitlin et al. Strategies for addressing vaccine hesitancy – A systematic review. Vaccine, [s.l.], v. 33, n. 34, p.4180-4190, ago. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.040.

LARSON, Heidi J. et al. Measuring vaccine hesitancy: The development of a survey tool. Vaccine, [s.l.], v. 33, n. 34, p.4165-4175, ago. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.037.

MACDONALD, Noni E.. Vaccine hesitancy: Definition, scope and determinants. Vaccine, [s.l.], v. 33, n. 34, p.4161-4164, ago. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.036.

PEREIRA, Alcione Matos; IVO, Olguimar Pereira. CAUSAS DO ATRASO DO CALENDÁRIO VACINAL EM MENORES DE DOIS ANOS. Revista Enfermagem Contemporânea, [s.l.], v. 5, n. 2, 1 nov. 2016. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i2.1068.

OPAS –BRASIL .Folha Informativa sobre o Sarampo . Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5633:folha-informativa-sarampo&Itemid=1060 . Acesso em 16/11/2019

PLOTKIN SA, Orenstein W, Offit P. Vaccines. 5th Ed. Philadelphia: Saunders Elsevier; 2008

RAMOS, Camilo Ferreira et al . Cumprimento do calendário de vacinação de crianças em uma unidade de saúde da família. Rev Pan-Amaz Saude, Ananindeua , v. 1, n. 2, p. 55-60, jun. 2010. http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232010000200006.

SATO, Ana Paula Sayuri. What is the importance of vaccine hesitancy in the drop of vaccination coverage in Brazil? Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 52, p.1-9, 22 nov. 2018. Universidade de Sao Paulo Sistema Integrado de Bibliotecas - SIBiUSP. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052001199.

SOUSA, Catrine de Jesus; VIGO, Zaira de Lima; PALMEIRA, Cátia Suely. Compreensão dos pais acerca da importância da vacinação infantil. Revista Enfermagem Contemporânea, [s.l.], v. 1, n. 1, p.45-58, 3 dez. 2012. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v1i1.39.

TAVARES, Eduardo C.; RIBEIRO, José Geraldo; OLIVEIRA, Lorenza A.. Imunização ativa e passiva no prematuro extremo. Jornal de Pediatria, [s.l.], v. 81, n. 1, p.89-94, mar. 2005. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0021-75572005000200011.

TEMPORÃO, José Gomes. O Programa Nacional de Imunizações (PNI): origens e desenvolvimento. História, Ciências, Saúde-manguinhos, [s.l.], v. 10, n. 2, p.601-617, 2003. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0104-59702003000500008.

TERTULIANO, Gisele Cristina; STEIN, Airton Tetelbom. Atraso vacinal e seus determinantes: um estudo em localidade atendida pela Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 16, n. 2, p.523-530, fev. 2011. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1413-81232011000200015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO recommendations for routine immunization - summary tables: - summary tables. 2019. Disponível em: <https://www.who.int/immunization/policy/immunization_tables/en/>. Acesso em: 21 out. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

KICHESE SILVA SANTOS, D. H.; SAMPAIO MACIEL, L.; ALVES ALMEIDA ALVARENGA, N.; DE SOUSA DANTAS AZARIAS, R. .; FLEURY JUBÉ LEAL, P. .; SANTANA DE AZEVEDO CARDOSO, V.; PEDROSA RIBEIRO, R.; MOURA, M. R. S. FATORES ASSOCIADOS AO ATRASO VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 4, n. 8, p. 36–44, 2020. DOI: 10.5935/2447-8539.20190019. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/64. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos originais