PERFIL DE CEFALEIAS E PROPOSTA DE AÇÃO EM SAÚDE.

Publicado
2020-07-22
Palavras-chave: Cefaleia, Ambulatório, Questionário, Prevalência

    Autores

  • Camila Flávio de Lima IMEPAC

Resumo

Introdução:Cefaleias são manifestações de dor em região craniana, de alta prevalência. Pode ocorrer de forma isolada, fazer parte de um complexo sintomatológico ou secundária a aguma doença.Objetivo:​Analisar o perfil de cefaleias em um grupo de frequentadores como pacientes ou acompanhantes em ambulatório de clínica médica vinculado ao Curso de Medicina do Centro Universitário IMEPAC em Araguari-Minas Gerais (MG), objetivando proposta de intervenção em saúde para esta população.Metodologia:Estudo​ observacional, analítico, transversal, quantitativo com dados colhidos por aplicação de questionário próprio em 100 indivíduos freqüentadores, pacientes ou acompanhantes, um ambulatório universitário de clínica médica.Resultados: Entre os 100 entrevistados, 87 foram incluídos, destes, 46 relataram ter apresentado cefaleia em alguma época de suas vidas ou ainda apresentam cefaleia na atualidade. Destes 46 pacientes, 42 são do sexo feminino e 4 do sexo masculino. Destes 46 pacientes, 15 tiveram sua cefaleia classificada como migrânea sem aura, 19 como migrânea com aura, 11 como cefaleia tensional.Conclusão:É necessária uma equipe multidisciplinar, com profissionais aptos a desenvolverem ações de promoção da saúde visando a adequação de hábitos de vida saudáveis, oferta de ações educativas, incentivando alimentação adequada e balanceada bem como a prática de atividades físicas e mentais regularmente e ao abandono de vícios e comportamentos estressantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AAMODT, A. H., et al., Headache prevalence related to smoking and alcohol use. The Head-HUNT Study. European Journal of Neurology. Trondheim, Noruega, 2006.

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA E CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Cefaleias em Adultos na Atenção Primária à Saúde: Diagnóstico e Tratamento. Projeto diretrizes 2009.

BERNARDI, M. T. et al. Correlação entre estresse e cefaleia tensional. Fisioterapia em Movimento, [S.l.], v. 21, n. 1, set. 2008.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto promoção da saúde. As cartas de promoção da saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2002 [citado 2018 mar 6]. 56 p. (Série B. Textos Básicos em Saúde). Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf. Acesso em: 29/11/2019

DITTRICH, S.M., et al. Aerobic exercise with relaxation: influence on pain and psychological well-being in female migraine patients. Clin J Sport Med. Innsbruck, Austria, 2008.

DUELAND, A. N. Headache and Alcohol. Headache: The Journal of Head and Face Pain, 2015.

FRANKEN, R. A. et al. Nicotina. Ações e interações. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, volume 66, (nº 1), 1996.

HAMMILL, J.M., COOK, T.M., ROSECRANCE, J.C.: Effectiveness of a physical therapy regimen in the treatment of tension-type headache. Headache. Iowa, Estados Unidos da América, 1996.

ILIADES, C. 11 Biggest Headache Triggers. Disponível em https://www.everydayhealth.com/headache-migraine/11-biggest-headache-triggers.aspx. Acesso em: 26/11/2019.

KRYMCHANTOWSKI, A. V. et al, Prevalência e características da cefaleia em uma população de praticantes regulares de exercícios físicos. Arquivos de Neuropsiquiatria, vol.64 no.3b São Paulo Sept. 2006.

MEDINA M.G., et al. Promoção da saúde e prevenção de doenças crônicas: o que fazem as equipes de Saúde da Família? Saúde Debate. Rio de Janeiro, 2014, vol.38, n.spe, pp.69-82.

NARIN, S. et al. The effects of exercise and exercise-related changes in blood nitric oxide level on migraine headache. Clinical rehabilitation. Turquia, 2003. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1191/0269215503cr657oa, acesso em 28/11/2019.

OLIVEIRA, M.A.C., PEREIRA, I.C.: Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem. São Paulo, 2013;66(esp):158-64.

PORTO, C. C.; PORTO, A. L. Clínica Médica na prática diária. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

SANTANA NETO, F. J. Efeitos de diferentes intensidades do exercício físico na cefaleia: uma revisão sistemática. 2016.

SILVA JUNIOR, A.A da. et al. Frequência dos tipos de cefaleia no centro de atendimento terciário do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Revista Associação Médica Brasileira. 58(6):709-713. Belo Horizonte, 2012.

SOCIEDADE INTERNACIONAL DE CEFALEIAS. Classificação Internacional de Cefaleias. 3. ed. Lisboa: Sociedade Internacional de Cefaleias, 2014.

Como Citar
FLÁVIO DE LIMA, C. PERFIL DE CEFALEIAS E PROPOSTA DE AÇÃO EM SAÚDE. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 4, n. 8, p. 25-30, 22 jul. 2020.