Perfil das puérperas e neonatos assistidos em uma maternidade pública da região do Triângulo Mineiro

Publicado
2018-12-10
Palavras-chave: Gravidez, Recém-nascido, Cuidado pré-natal, Índice de Apgar

    Autores

  • Nayara Moreira Vital Sousa Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Daniela Henriques Soares Lopes Debs Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Camila Ribeiro Tibiletti Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Caroline Lodi Gimenes Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Diego Figueiredo Melara Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC
  • Caroline Rodrigues Santos Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos
  • Débora Pessopane Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC
  • Edson Milton Martins Souza Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC
  • Vítor Hugo Gomes Araújo Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos - IMEPAC

Resumo

O Ministério da Saúde preconiza que a atenção pré-natal e puerperal tem o objetivo de acolher a mulher desde o início da gravidez e assegurar, ao final da gestação, o nascimento de uma criança saudável. O objetivo deste trabalho foi conhecer o perfil das puérperas e neonatos assistidos em uma maternidade pública da região do Triângulo Mineiro, identificando a média de idade das mães alojadas na maternidade, o número de consultas realizadas no pré-natal, o tipo de parto, o Apgar e peso ao nascimento do neonato e o tempo de internação. Trata-se de um estudo retrospectivo descritivo, com abordagem quantitativa, através da pesquisa nos registros de internações da Rede de Comunicação entre a maternidade e a atenção primária da cidade na qual o trabalho foi realizado, de janeiro de 2015 a dezembro de 2016. Os resultados mostraram que 73,9% das gestantes possuíam 20 anos ou mais, e destas, 80,7% realizaram o pré-natal adequado. A maior parte dos neonatos apresentaram peso e Apgar adequados. Conclui-se que a atenção desde o pré-natal até o puerpério é adequada no município, no entanto, alguns pontos podem ser abordados de maneira mais enfática para melhorar ainda mais o acesso e a qualidade do atendimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, F.C, et. al.Assessment of the profile ofbirths and deaths in a referral hospital. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 86, n. 4, p. 295-302, 2010.

BONFANTE, T. M. et al. Fatores associados à preferência pela operação cesariana entre puérperas de instituição pública e privada. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 38, n. 1, p. 26-32, 2009.

BRANDEN, P S. Enfermagem: materno-infantil. 2. ed. Rio de Janeiro:Reichmann& Affonso Editores, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde.Cadernos de atenção básica: Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde.Informações sobre gravidez na adolescência. 2016. Disponível em:<http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-do-adolescente-e-do-jovem/informacoes-sobre-gravidez-na-adolescencia2>. Acesso em: 17 de março de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde.Média de permanência na UTI pediátrica. 2013. Disponível em: <http://www.ans.gov.br/images/stories/prestadores/E-EFI-08.pdf>. Acesso em: 16 de março de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de humanização no pré-natal e nascimento: informações para gestores e técnicos. Brasília, DF, 2000.

CRUZ, D. C. et al. Os cuidados imediatos prestados ao recém-nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n. 4, p. 1-8, 2007.

DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO SUS - DATASUS. Informações de Saúde - Estatísticas Vitais: banco de dados de Nascidos Vivos - 2004 a 2016. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvmg.def.>.Acesso em: 17 de março de 2018.

DEBS, D. H. S. L. et al. Perfil do binômio internado em alojamento conjunto de uma maternidade pública. In: 36º Congresso Brasileiro de Pediatria, 2013, Curitiba. Anais... Curitiba, 2013.

DODT, R. C. M. et al. Perfil epidemiológico das puérperas assistidas em um alojamento conjunto. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p, 345-51, jul/set, 2010.

D’ORSI, E. et al. Perfil denascimentos no Município do Rio de Janeiro: uma análise espacial. Caderno de Saúde Pública; v. 14, p. 367-79, 1998.

FIOCRUZ. Projeto – Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento, 2014. Disponível em: <http://www6.ensp.fiocruz.br/nascerbrasil/>. Acesso em: 29 de novembro de 2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Censo Demográfico: Resultados Preliminares da Amostra. Rio de Janeiro, 2010. (12º Recenseamento Geral do Brasil).

PAIM J. S. Política, planejamento e gestão em saúde: balanço do estado da arte. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. especial, p. 73-78, 2006.

SANTOS, J. B. F. et al. Estudo do peso do recém-nascido, faixa etária da mãe e tipo de parto. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 54, n.3, p. 517-527, jul /set, 2001.

SERRUYA, S. J. et al. O panorama da atenção pré-natal no Brasil e o Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 4, n. 3, p. 269-279, 2004.

SILVA, G. F. Perfil das parturientes e seus recém-nascidos atendidos em hospital-escola do noroeste do estado do Paraná. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 95-102, 2009.

SOARES, A. V. N. et al. Representações de puérperas sobre o sistema alojamento conjunto: do abandono ao acolhimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 72-80, 2003.

TOURINHO, A. B. Peso ao nascer: uma abordagem nutricional. Revista Brasileira de Ciências da Saúde;v. 22, n. 4, p. 19-30, 2013.

VIELLAS, E. F. et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cadernos de saúde pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. S85-S100, 2014.

Como Citar
SOUSA, N. M. V.; DEBS, D. H. S. L.; TIBILETTI, C. R.; GIMENES, C. L.; MELARA, D. F.; SANTOS, C. R.; PESSOPANE, D.; SOUZA, E. M. M.; ARAÚJO, V. H. G. Perfil das puérperas e neonatos assistidos em uma maternidade pública da região do Triângulo Mineiro. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 3, n. 5, p. 1-7, 10 dez. 2018.