Avaliação do peso médio e teor de princípio ativo do comprimido losartana potássica 50mg após o método de partição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v6i11.161

Palavras-chave:

fracionamento; losartana potássica, controle de qualidade.

Resumo

Os medicamentos são essenciais para prevenir, curar doenças, aliviar sintomas e melhorar a qualidade de vida. Todavia, um tratamento inadequado pode afetar o cognitivo funcional e, comprometer a efetividade da farmacoterapia. Diante disso, este trabalho objetivou analisar os métodos de partição de comprimidos de Losartana Potássica de 50mg, que necessitem de ajustes de dose durante o tratamento. Trata-se de um estudo quali-quantitativo acerca da partição de comprimidos com faca e cortador, analisando aspecto como as características organolépticas, o peso médio e teor de princípio ativo para três laboratórios diferentes. Observamos que, dos 60 comprimidos analisados, o peso médio foi aceitável apenas para os comprimidos inteiros, já para os partidos os resultados não foram ideais, visto que algumas partes ficaram maiores, outras esfarelaram. O mesmo ocorreu com a variável do princípio ativo, onde as partes tiveram variância significativa, ficando entre 60 e 70% apenas, não alcançando, portanto, a quantidade exigida pela Farmacopeia para um tratamento efetivo. Conclui-se, assim, que a partição não é um método totalmente confiável para um tratamento eficaz, podendo causar uma sub ou superdosagem e consequentemente ocasionar riscos à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANHANGUERA, U. et al. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. v. 17, n. 5, p. 75–87, 2013.

BASSI, B.L.T; MELO, M.M; FERNANDES, W.S. Avaliação da Partição de Comprimidos de varfarina através de três métodos de corte. J.Health Sci Inst., v.35, n.n. 4, p. 261-266, 2017.

BORJA-OLIVEIRA, C. R. DE. Organizadores e cortadores de comprimidos: riscos e restrições ao uso. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 1, p. 123–127. 2013.

BRASIL. Decretos e Leis. Farmacopéia brasileira. 4. ed. Parte 2, 6o. Fascículo. São Paulo: Atheneu; 2005

BRASIL. Ministério da Saúde. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: <http://www.imprensanacional.gov.br/consulta>Acesso em: 12 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 67 de 08.10.2007: Boas Práticas de Manipulação de preparações magistrais e oficinais para uso humano em farmácia. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2007.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Farmacopeia Brasileira, 5º edição. 2v, 2010. Disponível em: <http://www.imprensanacional.gov.br/consulta>.Acesso em: 10 out. 2019.

BUTOW, A. A. et al. Avaliação do processo de partição em comprimidos de hidroclorotiazida. Revistas de Ciências Farmacêutivas Básica Aplicada., v.33, n. 4, p. 555-560. 2012.
FERREIRA, A. A. A. . et al. Avaliação do efeito da partição de comprimidos de furosemida sobre a uniformidade da dose. Revista de ciências farmacêuticas básica e aplicada, v. 32, n.1. 2011. Disponível em: http://servbib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/cien_farm/article/viewarticle/1220>. Acesso em: 2 dez. 2019.

MURAKAMI, L. M. R. N. Avaliação do impacto do programa farmácia popular do brasil na gestão da assistência farmacêutica municipal.Unisanta Health Science, v.2, n.1, p. 13-18. 2018. Disponível em: <http://ojs.unisanta.br/index.php/hea/article/view/1194>. Acesso em: 2 dez. 2019.

LOBO, L.A.C.; CANUTO, R.; DIAS-DA-COSTA, J.S.; PATUSSI, M.P. Tendência temporal da prevalência da hipertensão sistêmica no Brasil. Cad. Saúde Pública, v.6, n.33. 2017.

PEREIRA, G. R. S. Estudo da influência de diferentes adjuvantes na partição de comprimidos. 2018. 67 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018. Disponível em: <http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9689>. Acesso em: 2 dez. 2019.

SILVA, R.J; CHOZE, R; ANDRADE, E. D.; et al. Estudo sobre partição de comprimidos de besilato de anlodipino.Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 17, n.5, p.75-87. 2013.


SIMÃO, A. F. et al. I Diretriz brasileira de prevenção cardiovascular. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 101, n. 6, p. 1-63, 2013. Disponível em <http://departamentos.cardiol.br/sbcdha/profissional/revista/22-4.pdf>. Acesso em 15 Set. 2019.

SOUZA, F.F.R; ANDRADE K, V.F; SOBRINHO, C.L.N. Adesão ao tratamento farmacológico e controle dos níveis pressóricos de hipertensos. Revista Brasileira de Hipertensão., v.22, n.4, p. 133-138. 2015. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/sbc-dha/profissional/revista/22-4.pdf. Acesso em 29 Set. 2019.

TENG, J.; SONG, C. K.; WILLIAMS, R.L.; POLLI, J.E. Lack of Medication Dose Uniformity in 87 v.17 • n.5 • 2013 • p. 75-87 Commonly Split Tablets. J. Am. Pharm. Assoc., v. 42, n.2, p.195-199. 2002.

TEIXEIRA, M.T, SÁ-BARRETO, L.C.L, SILVA, D.L.M, Cunha-Filho, M.S.S. Panorama dos aspectos regulatórios que norteiam a partição de comprimidos. Revista Panamericana de Salude Publica., v. 39, n.6, p.372-377. 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

SILVA, J. R. da; NASCIMENTO , B. D. C. do; HIPÓLITO , A. F. .; GOMES , K. da S. Avaliação do peso médio e teor de princípio ativo do comprimido losartana potássica 50mg após o método de partição. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 161–169, 2021. DOI: 10.47224/revistamaster.v6i11.161. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/161. Acesso em: 22 jun. 2024.