Principais motivações para ideação e tentativa de suicídio entre estudantes de medicina

Autores

  • Mak Alisson Moraes IMEPAC
  • Murilo Bessa Centro Universitário IMEPAC
  • José Augusto Queiroz Prado Centro Universitário IMEPAC
  • João Pedro Arantes de Sousa Almeida Centro Universitário IMEPAC
  • Bruno Henrique de Melo Oliveira Centro Universitário IMEPAC
  • João Pedro Gomes de Souza Centro Universitário IMEPAC

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v8i15.378

Palavras-chave:

Suicídio, Ideação suicida, Saúde mental, Estudantes de Medicina.

Resumo

Introdução: O suicídio é uma das principais causas de morte no Brasil, e a ideação e a tentativa, muitas vezes, precedem o ato. Diante disso, foi identificado uma prevalência de três a cinco vezes maior em estudantes de medicina que na população em geral. Objetivo: Identificar as principais causas para a ideação e de tentativas de suicídio em estudantes de medicina em uma universidade privada do Triângulo Mineiro. Metodologia: Trata-se de um estudo qualitativo com base na abordagem fenomenológica de interpretação de dados. A seleção da amostra foi realizada por meio da amostragem em bola de neve, sendo que, foram incluídos nesse estudo estudantes de medicina devidamente matriculados e maiores de 18 anos que já tiveram alguma experiência dentro da temática. A pesquisa partiu da seguinte pergunta disparadora: “O que você considera que foi decisivo para que pensasse ou tentasse suicídio?”. Discussão: O estudo contou com 5 participantes efetivos. A partir das informações colhidas, foram aplicadas as 4 etapas do método fenomenológico e sintetizado/integrado à literatura científica. Desse modo, foi possível observar nos participantes que o pensamento do suicídio é elaborado como forma de cessar o sofrimento. Conclusão: Logo, foi perceptível que a saúde mental fragilizada, concomitante a cobrança excessiva dentro da universidade, a carga horária, o estresse e a fraca rede de apoio tiveram grande peso no comportamento para a ideação e tentativa de suicídio.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENSMAN, E.; SCOTT, V; DE LEO, D; PIRKIS; J. Suicide and suicide prevention from a global perspective. Crisis, v. 41, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.1027/0227-5910/a000664

BARREIRA, C. R. A.; RANIERE, L. P. Aplicação de contribuições de Edith Stein à sistematização de pesquisa fenomenológica em psicologia: a entrevista como fonte de acesso às vivências. In: MAHFOUD, M; M. MASSIMI (Org.). Edith Stein e a psicologia: teoria e pesquisa. Belo Horizonte: Artesã, 2013, p. 449-466.

BENTO, T. M. A. FRANÇA, J. K. da R.; LIMA, J. M. da S. F. Fatores predisponentes que levam jovens adultos à ideação suicida e ao suicídio no Brasil. Ciên Biol e da Saú Unit, Alagoas, v. 5, n. 1, p. 153-166, nov. 2018.

BORGES, V. R.; WERLANG, B. S. G. Estudo de ideação suicida em adolescentes de 15 a 19 anos. Estudos de Psicologia, v. 11, n.3, p. 345-351, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2006000300012

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.876 de 14 de agosto de 2006. Institui Diretrizes Nacionais para Prevenção do Suicídio, a ser implantadas em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: perfil epidemiológico dos casos notificados de violência autoprovocada e óbitos por suicídio entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil, 2011 a 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

CHAFEY, M. I. J. Conducta e ideación suicida en estudiantes universitarios. Rev. Griot, v. 1, n. 4, p. 5-17, 2008.

CONSTANTINIDIS, T. C.; GOMES, E. R.; IGLESIAS, A. Revisão Integrativa de Produções Científicas da Psicologia Sobre Comportamento Suicida. Rev Psicol e Saú, Vitória, v. 11, n. 2, p. 35-53, 2019. DOI: https://doi.org/10.20435/pssa.v11i2.616

DEWES, J. O. 2013. 75f. Amostragem em Bola de Neve e Respondent-Driven Sampling: uma descrição dos métodos. Trabalho de Conclusão de Curso, Departamento de Estatística, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

DELZIOVO, C. R.; PORTO, D. M.; QUEIROZ, L. DE A. Prevenção ao suicídio. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2019.

FIGUEIREDO, A. M. de et al. Percepções dos estudantes de medicina da UFOP sobre sua qualidade de vida. Rev Bras de Educ Med, Ouro Preto BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro.

GIORGI, A. An application of phenomenological method in psychology. In: GIORGI, A.; FISCHER, C.; MURRAY, E., eds. Duquesne studies in phenomenological psychology. Pittsburgh, PA, Duquesne University Press, 1975. v.2. DOI: https://doi.org/10.5840/dspp197529

Portaria nº 1.876 de 14 de Agosto de 2006. Institui Diretrizes Nacionais para Prevenção do Suicídio, a ser implantadas em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006.

Downloads

Publicado

2023-07-14

Como Citar

MORAES, M. A.; BESSA, M. .; QUEIROZ PRADO, J. A. .; ARANTES DE SOUSA ALMEIDA, J. P. .; DE MELO OLIVEIRA , B. H. .; GOMES DE SOUZA, . J. P. . Principais motivações para ideação e tentativa de suicídio entre estudantes de medicina. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 8, n. 15, 2023. DOI: 10.47224/revistamaster.v8i15.378. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/378. Acesso em: 21 maio. 2024.