Tratamentos convencionais e complementares do Transtorno Bipolar: uma revisão.

Autores

  • Murilo Henrique de Souza Fernandes imepac
  • Rita Cardoso Instituto Master de Ensino Imepac

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v8i16.387

Palavras-chave:

Transtorno Bipolar; Terapias Complementares; Farmacoterapia.

Resumo

O Transtorno Bipolar (TB) é um quadro psiquiátrico relativamente recente na literatura médica e apresenta causas multifatoriais. Com diagnóstico geralmente tardio, caracteriza-se como uma doença crônica que acomete homens e mulheres com igual prevalência, sendo a instabilidade do humor o principal sintoma. A farmacoterapia é considerada o tratamento de  primeira escolha, mas nem sempre oferece adequado controle. Sendo assim, o objetivo deste estudo é investigar os tratamentos convencionais e alternativos do TB. A metodologia utilizada para construção do presente trabalho  foi a revisão bibliográfica. Foi possível verificar que apesar da farmacoterapia promover certa estabilidade no humor e melhoria na qualidade de vida dos pacientes portadores de TB, ela não deve ser a única abordagem terapêutica, uma vez que resultados mais consistentes são atingidos quando se tem a associação da farmacoterapia à psicoterapia, preferencialmente na corrente teórica da Psicologia Cognitivo Comportamental, acompanhados da psicoeducação sobre a doença. A farmacoterapia do TB, em uma parcela importante de pacientes, não consegue promover adequado controle da doença, com alta taxa de abandono devido à persistência de sintomas e/ou manifestação de reações adversas. Portanto, há a necessidade do surgimento de novos tratamentos e do preenchimento de uma grande lacuna na literatura científica a respeito de terapias complementares que possam auxiliar no controle desta doença. Poucos estudos científicos estão disponíveis a esse respeito e evidências mais robustas são necessárias para fundamentar a tomada de decisão terapêutica envolvendo tais abordagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE. Nova versão do Padrão TISS. Ministerio da Saúde, 2021. Disponível em <https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/operadoras/avisos-para-operadoras/ans-publica-nova-versao-do-padrao-tiss-2013-abril-2021>. Acesso em 21 de abri. 2022.

ALMEIDA, B. R. S.; ALMEIDA, C. G.; OLIVEIRA, C. C.; MACHADO, D. C.; RUCKL, S.; ANDRADE, V. A. Atualização no tratamento do transtorno bipolar: o impacto da psicoeducação familiar. Revista Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, n. 3, p. 11-17, 2018 DOI: https://doi.org/10.51338/rppsm.2018.v1.i3.81

APA - American Psychiatric Association. DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. [Porto Alegre]: Grupo A, 2016.

BERK, L. Guia para cuidadores de pessoas com transtorno bipolar. 1. ed. São Paulo: Segmento Farma, 2011.

BRASIL. Nota técnica nº 11 de 2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Ministério da Saúde, 2019. Disponível em <https://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf>. Acesso em 28 de set. de 2022.

BROGAN, K. Resolution of refractory bipolar disorder with psychotic features and suicidality through lifestyle interventions: a case report. Adv Mind Body Med, v. 31, n. 2, p. 4-11, 2017.

CARNEIRO, F. G.; SORATTO, M. T. Transtorno bipolar: fatores genéticos e ambientais. Enfermagem Brasil, v. 15, n. 1, p. 39-43, 2016. DOI: https://doi.org/10.33233/eb.v15i1.97

CORDIOLI, A. V.; GALOIS, C. B.; ISOLAN, L. Psicofármacos . 5. ed. Porto Alegre: Grupo A, 2015.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP nº 10/00, de 20 de dezembro de 2000. Especifica e qualifica a Psicoterapia como prática do Psicólogo. Brasília, DF, 2000. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2000/12/resolucao2000_10.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2021.

CLEMENTE, A.S.. Concepções dos psiquiatras sobre o transtorno bipolar do humor e sobre o estigma a ele associado. 2015. 283 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) Centro de Pesquisas René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz, Belo Horizonte, 2015.

DENTINI, D.; SANTANA, D.; BERTAGLIA, G. C.; CROZARA, M. Farmacoterapia do transtorno bipolar. 3º Simpósio de assistência farmacêutica, Centro Universitário São Camilo, São Paulo, 2015.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 3. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 505p., 2018.

ELISABETSKY, E.; HERRMANN, A. P.; PIATO, .; LINCK, V. M. Descomplicando a psicofarmacologia .1. ed. São Paulo: Editora Blucher,32 p., 2021.

GAMA, A.A.C.N.. Transtorno bipolar e o uso de estabilizadores do humor: e os problemas da adesão. 2011. 39 f. Monografia (Graduação em Psicologia) – Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Editora Atlas, 230 p.,

GIMÉNEZ-PALOMO, A.; DODD, S.; ANMELLA, A.; CARVALHO, A. F,; SCAINI, G.; QUEVEDO, J.; PACCHIAROTTI, I.; VIETA, E.; BERK, M.. The role of mitochondria in mood disorders: from physiology to pathophysiology and to treatment. Frontiers in Psychiatry, v. 12, p. 977, 2021. DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyt.2021.546801

GOMES, B.C.. Intervenção combinada de terapia cognitivo comportamental e reabilitação neuropsicológica em grupo para portadores de transtorno do humor bipolar. 2018. Tese (Doutorado em Psiquiatria) - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

GUREVICH, M. I.; ROBINSON, C. L. An individualized approach to treatment-resistant bipolar disorder: a case series. Explore, v. 12, n. 4, p. 237-245, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.explore.2016.04.001

JOSÉ, B. B.; DA CRUZ, M. C. C. Eletroconvulsoterapia como prática psiquiátrica: revisão de literatura. Archives of Health Investigation, v. 8, n. 10, 2019. DOI: https://doi.org/10.21270/archi.v8i10.3609

KAPCZINSKI, F.; QUEVEDO, J. Transtorno Bipolar: Teoria e Clínica. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 411 p., 2016.

KOLLER, S. H.; COUTO, M.C. de P.; HOHENDORFF, J. V. Manual de Produção Científica, Porto Alegre: Grupo A, 2014.

KNAPP, P.; ISOLAN, L. Abordagens psicoterápicas no transtorno bipolar. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), v. 32, p. 98-104, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-60832005000700014

LOVIENO, N.; DALTON, E.D.; MISCHOULON, D. Second-tier natural antidepressants: review and critique. Journal of affective disorders, v. 130, n. 3, p. 343-357, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jad.2010.06.010

MACHADO, F. M.; MORAES FILHO; I.; FIDELIS, A.; ALMEIDA, R. J.; NASCIMENTO, M. S. S. P.; CARNEIRO, K. K. C. Eletroconvulsoterapia: implicações éticas e legais. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, v. 7, n. 3, p. 235-247, 2018

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Metodologia científica. 6. ed., São Paulo: Atlas, 2014.

MARI, J. J.; KIELING, C. Psiquiatria na Prática Clínica. São Paulo: Editora Manole, 2014.

MENDONÇA, M. J. M.; GONÇALVES, R. T.; MACEDO, B. M. G.; VARGAS, J. P. M.; CAMPOS, M. V. L., ESQUARCIO, B. S. V.; VALE, V. A. L.; MORAIS, D. C.; CARNEIRO, T. P.; LIMA, F. F. Eletroconvulsoterapia em pacientes com transtorno afetivo bipolar: uma revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 11, p. e9229-e9229, 2021. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e9229.2021

MISCHOULON, D. The impact of omega-3 fatty acids on depressive disorders and suicidality: can we reconcile 2 studies with seemingly contradictory results? Journal of clinical psychiatry, v. 72, n. 12, p. 3315, 2011. DOI: https://doi.org/10.4088/JCP.11com07463

MINISTÉRIO DA SAÚDE. SIGTAP - Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS. Brasil, 2022. Disponível em: <http://sigtap.datasus.gov.br/tabela-unificada/app/sec/inicio.jsp>. Acesso em 28 de mai. 2022.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA nº 315, DE 30 DE MARÇO DE 2016. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Transtorno Afetivo Bipolar do tipo I, 2016. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Protocolos/PCDT_TranstornoAfetivoBipolar_TipoI.pdf>. Acesso em 17 de abri. 2022.

MOREIRA, L. R.; METTER, A; GENZLINGER, J; YOUNGSTROM, E. Review and meta-analysis of epidemiologic studies of adult bipolar disorder. Journal of Clinical Psychiatry, v. 78, n. 9, p. 11720, 2017. DOI: https://doi.org/10.4088/JCP.16r11165

NAVOLAR, A. B. B. ; BAHLS, S. C. Terapia cognitivo-comportamental: conceitos e pressupostos teóricos. Revista Eletrônica de Psicologia, n. 04, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Transtornos Mentais, 2019. Disponível em ,https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/mental-disorders>. Acesso em 23 de maio de 2022.

PEREIRA, L. L.; DIAS, A. C. G.; CAERAN, J.; COLLARES, L. A.; PENTEADO, R. V.. Transtorno bipolar: reflexões sobre diagnóstico e tratamento. Perspectiva. São Paulo, v. 34, n. 128, p. 151-166, 2010.

PLOMIN, R.; DEFRIES, J.C.; MCCLEARN, G.E. Genética do Comportamento. 5. ed. Porto Alegre: Grupo A, 480 p., 2016.

QUEIROZ, C. S.; JESUS, V. O.; CASTRO FREITAS, R. Transtorno bipolar: causas, sintomas e farmacoterapia com carbonato de lítio. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 1, p. 7629-7633, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-517

RACZ, R.; SWEET, B. V.; SOHONI, P. Oral acetylcysteine for neuropsychiatric disorders. American Journal of Health-System Pharmacy, v. 72, n. 11, p. 923-929, 2015. DOI: https://doi.org/10.2146/ajhp140732

RITTER, J.M.; FLOWE, R.; HENDERSON, G.; LOKE, Y. K.; MACEWAN. D.; RANG, H. P. Rang & Dale Farmacologia. 9. ed. Grupo GEN, 763 p., 2020.

ROSA, A. R.; KAPCZINSKI, F.; OLIVE, R.; STEIN, A.; BARROS, H. M. T. Monitoramento da adesão ao tratamento com lítio. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 33, n. 5, p. 249–261, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-60832006000500005

ROSA, MA; ROSA, MO. Fundamentos da eletroconvulsoterapia.1. ed. Porto Alegre: Grupo A, 193 p., 2015.

SANTIN, A; CERESÉR, K; ROSA, A. Adesão ao tratamento no transtorno bipolar. Revista de Psiquiatria Clínica, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p.105-109, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-60832005000700015

SANTOS, N. Minerais e Medicamentos-Uma Parceria Milenar. 2020. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra.

SARRIS, J; LAKE, J; HOENDERS, R. Bipolar disorder and complementary medicine: current evidence, safety issues, and clinical considerations. The Journal of Alternative and Complementary Medicine, v. 17, n. 10, p. 881-890, 2011. DOI: https://doi.org/10.1089/acm.2010.0481

SARMIENTO SUÁREZ, M. J., STREJILEVICH, S.; GÓMEZ-RESTREPO, C.; LAMUS, L. G.; GIL, F. Uso de medicinas complementarias y alternativas en pacientes con trastorno afectivo bipolar en Colombia. Revista colombiana de psiquiatría, v. 39, n. 4, p. 665-682, 2010. DOI: https://doi.org/10.1016/S0034-7450(14)60207-9

SILVA I. S. T.; GODOY J. T.; BARROS A. P. G. de; VIEIRA I. C.; MAGALHÃES I. de M.; MATTOS M. P. de; ARAÚJO R. C.; MAGALHÃES V. de M.; LOPES A. G. O uso da eletroconvulsoterapia (ECT) para o tratamento da depressão. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n. 56, p. e3926, 13 ago. 2020 DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e3926.2020

SHAUGHNESSY, J. J.; ZECHMEISTER, E. B.; ZECHMEISTER, J. S. Metodologia de pesquisa em psicologia. 9. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 479 p., 2012.

SHIMON, H.; AGAM, G.; BELMAKER, R. H.; HYDE, T. M.; KLEINMAN, J. E.. Reduced inositol levels in frontal cortex of post-mortem brain from bipolar patients and suicides: 13.6. Behavioural Pharmacology, v. 6, p. 65, 1995. DOI: https://doi.org/10.1097/00008877-199505001-00078

SHIMON, H.; AGAM, G.; BELMAKER, R. H.; HYDE, T. M.; KLEINMAN, J. E. Reduced frontal cortex inositol levels in postmortem brain of suicide victims and patients with bipolar disorder. American Journal of Psychiatry, v. 154, n. 8, p. 1148-1150, 1997. DOI: https://doi.org/10.1176/ajp.154.8.1148

SOLOMON, D; ADAMS, J. The use of complementary and alternative medicine in adults with depressive disorders. A critical integrative review. Journal of affective disorders, v. 179, p. 101-113, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jad.2015.03.031

STAHL, S. M. Fundamentos de psicofarmacologia de Stahl: guia de prescrição. 6. ed. Porto Alegre: Grupo A, 852 p., 2019.

STUMM, V. MS incorpora tratamento completo para transtorno bipolar. BVS, 2015. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/ms-incorpora-tratamento-completo-para-transtorno-bipolar/>. Acesso em: 16 de out. de 2021

SYLVIA, L. G.; SHESLER, L. W.; PECKHAM, A. D.; GRANDIN, T.; KAHN, D. A. Adjunctive deep touch pressure for comorbid anxiety in bipolar disorder: mediated by control of sensory input? Journal of Psychiatric Practice, v. 20, n. 1, p. 71-77, 2014. DOI: https://doi.org/10.1097/01.pra.0000442942.01479.ce

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

SOUZA FERNANDES, M. H. de; CARDOSO, R. A. Tratamentos convencionais e complementares do Transtorno Bipolar: uma revisão. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 8, n. 16, 2023. DOI: 10.47224/revistamaster.v8i16.387. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/387. Acesso em: 14 jul. 2024.