Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio com supradesnivel do segmento ST e angioplastia primária comparada a trombólise: redução considerável da morbimortalidade

Autores

  • Natalia Mundim Melo Centro Universitário Imepac Araguari https://orcid.org/0009-0007-1075-2686
  • Pedro Augusto Ribeiro de Castro Nunes Centro Universitário IMEPAC Araguari
  • Natalia Resende Pompeu Centro Universitário IMEPAC Araguari
  • Lara Eduarda Ribeiro Reis Centro Universitário IMEPAC Araguari
  • Anderson Silveira Duque

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v8i16.440

Palavras-chave:

Infarto Agudo do Miocárdio, Angioplastia primária, Trombólise

Resumo

O objetivo central desta Revisão Sistemática é relatar se há redução considerável da morbimortalidade em pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio com supradesnível do segmento ST (IAMCSST) submetidos à angioplastia primária (ICP) comparado a trombólise. Para esta revisão bibliográfica foram selecionados alguns estudos publicados nas bases de dados eletrônicas como: PubMed, Medline, Lilacs, SciELO e Bireme. Com base nos 12 artigos utilizados, foi realizada a comparação das duas estratégias de tratamento com foco na mortalidade em 30 dias (desfecho primário). A amostra final foi composta por 2.470 pacientes. Seguindo o protocolo de atendimento, fibrinólise foi fornecida a 243 pacientes (9,8% - grupo fibrinólise) e 2.227 pacientes foram transferidos para um centro de PCI (90,2% - grupo de transferência para a ICP). O tempo médio para ICP foi de 119 minutos. A mortalidade apresentou tendência a ser menor no grupo ICP x Fibrinólise (5,1% x 7,7%, P = 0,09). No entanto, quando avaliados pacientes transferidos em até 99 minutos até ICP, a mortalidade foi de 2,0% (P<0,01) e entre 99 e 140 minutos foi de 4,6% (P = 0,03), significativamente menor no grupo ICP. Em pacientes submetidos a trombólise houve redução na mortalidade em 7,7%  (p < 0,03), bem como verificou-se uma redução de 52 minutos no tempo de tratamento quando comparado com ICP e, consequentemente redução significativa da mortalidade a longo prazo. Portanto, o que vai influenciar na escolha do procedimento é o tempo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AKITA CHUN, A., MCGEE, S. R. Bedside diagnosis of coronary artery disease: A systematic review. The American Journal of Medicine, 117(5), 334–343. 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.amjmed.2004.03.021

AVEZUM, Álvaro et al. Fatores de Risco Associados com Infarto agudo do miocárdio na região metropolitana de São Paulo. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. São Paulo, v. 84, n.3, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2005000300003

BERWANGER, O. et al. Como Avaliar Criticamente Revisões Sistemáticas e Metanálises? Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 19, n. 4, Out./Dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-507X2007000400012

BURZOTTA, F.; TRANI, C.; ROMAGNOLI, E; et al. Manual thrombusaspiration improves myocardial reperfusion: the randomized evaluation of the effect of mechanical reduction of distal embolization by thrombus-aspiration in primary and rescue angioplasty (REMEDIA) trial. J Am Coll Cardiol 2015;46:371-6. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jacc.2005.04.057

CARVALHO, N.M; CAMARGOS, A.T; PERNAMBUCO, A.P. Infarto agudo do miocárdio em um adulto jovem: relato de caso. Conexão Ciência (online), v.6, n.2. 2018. DOI: https://doi.org/10.24862/cco.v6i2.93

FERREIRA, Silva Maciel. Electrocardiogram in Acute Myocardial Infarction: What to Expect? International Journal of Cardiovascular Sciences. 2016; 29(3):198-209. DOI: https://doi.org/10.5935/2359-4802.20160040

GOTTLIEB, M. G.V.; BONARDI, G.; MORIGUCHI, E. H. Fisiopatologia e aspectos inflamatórios da aterosclerose. Scientia Medica, Porto Alegre: PUCRS, v. 15, n. 3, p.203- 207, jul./set. 2015.

LOBATO, Talita Ariane Amaro et al. Indicadores Antropométricos de Obesidade em Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio. Revista Brasileira de Cardiologia. v.27, n.3, p.203-212. 2016.

MAFRA, A.A. MAFRA, A.A.; LODI-JUNQUEIRA, L.; RIBEIRO, A.L.P. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. Protocolo Clínico sobre Síndrome Coronariana Aguda. Belo Horizonte. 2016.

MAKSYMILIAN P. OPOLSKI; KAJETAN GRODECKI; MATEUSZ SPIEWAK; MARIUSZ FURMANEK; ILONA MICHALOWSKA. “Challenging Diagnosis of Myocardial Infarction Due to Anomalous Left Circumflex Artery.” Arq. Bras. Cardiol. June 2018, vol.110 no.6, São Paulo. DOI: https://doi.org/10.5935/abc.20180093

MARTINEZ, E.Z. Metanálise de ensaios clínicos controlados aleatorizados: aspectos quantitativos. Medicina, Ribeirão Preto, n.40, v.2, p.223-35, abr.jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v40i2p223-235

MOZAFFARIAN D, BENJAMIN EJ, GO AS, ARNETT DK,BLAHA MJ, CUSHMAN M, et al. Heart disease and stroke statistics—2015 update: a report from the American Heart Association. Circulation. 2015;131(4):e29–322.

SOARES, Jamil da Silva et al. Tratamento de uma Coorte de Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST. Revista da Sociedade Brasileira de Cardiologia. São Paulo, v.92, n.6, Jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2009000600009

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

MUNDIM MELO, N.; RIBEIRO DE CASTRO NUNES, P. A. .; RESENDE POMPEU , N.; RIBEIRO REIS, L. E. .; SILVEIRA DUQUE, A. . Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio com supradesnivel do segmento ST e angioplastia primária comparada a trombólise: redução considerável da morbimortalidade . Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 8, n. 16, 2023. DOI: 10.47224/revistamaster.v8i16.440. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/440. Acesso em: 18 abr. 2024.