Os principais fatores associados à candidíase vulvovaginal

Autores

  • Carolina Dantas Elias Centro Universitário IMEPAC
  • Fernanda Rodrigues Teixeira Centro Universitário IMEPAC
  • Laura Garcia de Vasconcelos Centro Universitário IMEPAC
  • Sofia Magalhães de Souza Lima Centro Universitário IMEPAC https://orcid.org/0009-0004-4457-1267
  • Líbera Helena Ribeiro Fagundes de Souza Centro Universitário IMEPAC https://orcid.org/0009-0009-7070-3362

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v8i16.482

Palavras-chave:

Candida, Vulvovaginite, Candidíase Vulvovaginal

Resumo

Introdução: a candidíase vulvovaginal é a segunda causa mais comum de sintomas de vaginite e pode acontecer em qualquer estágio da vida das mulheres. Tal doença decorre do sobrecrescimento de fungos da espécie Candida spp. na região vulvovaginal e possui diversos fatores desencadeadores. Objetivo: verificar os principais fatores que influenciam no surgimento da candidíase vulvovaginal. Metodologia: trata-se de revisão de literatura realizada de fevereiro a julho de 2023. Para tanto, buscou-se artigos científicos envolvendo o tema, utilizando os descritores candidíase vulvovaginal, Candida e vulvovaginite, assim como o booleano “AND”. A pesquisa limitou-se aos artigos publicados de 2018 a 2023, disponibilizados gratuitamente e na íntegra, o que resultou na análise de 82 trabalhos, dos quais 28 estudos foram selecionados para análise e discussão na presente revisão. Resultados e discussões: os fungos Candida spp. são normalmente encontrados na microbiota vaginal, mas um desequilíbrio na sua proliferação pode levar à candidíase vulvovaginal. Dentre as manifestações clínicas, verifica-se a coceira, ardor, além do corrimento branco, grumoso, inodoro e com aspecto pastoso. Com relação aos fatores de risco associados a essa patologia, verificou-se um grande universo de condições que podem levar ao desenvolvimento da infecção, o que torna difícil a identificação do gatilho. Apesar de não ser considerada uma infecção sexualmente transmissível, a candidíase pode ser transmitida pelo sexo, o que torna a prática sexual um fator de risco. Conclusão: verificou-se que os principais fatores associados à candidíase vulvovaginal são diabetes, gestação, antibióticos, atividade sexual, imunossupressão, anticoncepcionais, medicamentos, deficiência imunológica e hábitos de higiene inadequados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Karinne de Queiroz et al. Aspectos gerais da candidíase vulvovaginal: uma revisão de literatura. Revista Acadêmica do Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 1-14, 2022. Disponível em: http://www.revistas.unifan.edu.br/index.php/RevistaICS/article/view/970. Acesso em: 03 mar. 2023.

ANJOS, Genivaldo Alves dos et al. Aspectos da abordagem terapêutica sobre candidíase vulvovaginal. Arquivo de Ciências da Saúde da UNIPAR, Paraná, v. 27, n. 3, p. 1284-1306, 2023. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1425966. Acesso em: 15 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v27i3.2023-015

ANTUNES, Francisco et al. Candida auris: emergência recente de um fungo patogênico multirresistente. Revista Científica da Ordem dos Médicos, Lisboa, v. 33, n. 10, p. 680-684, 2020. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/44504. Acesso em: 10 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.20344/amp.12419

ARAUJO, Isabela Macêdo de; LOPES, Lorena Peixoto; CRUZ, Cristiane Monteiro da. Caracterização sistemática da resposta imune à infecção por Candida. Brazilian Journal of Health Review, São José dos Pinhais, v. 3, n. 2, p. 3788-3803, 2020. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/9325#:~:text=Sendo%20a%20candid%C3%ADase%20vulvovaginal%20recorrente,do%20perfil%20recorrente%20da%20doen%C3%A7a. Acesso em: 07 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-203

BARDIN, Marcela Grigol et al. Habits of genital hygiene and sexual activity among women with bacterial vaginosis and/or vaginal candidiasis. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 169-177, 2022. Disponível em: ttps://www.scielo.br/j/rbgo/a/PZxhXrjGtJJRTbY8jDKwhGL/?format=pdf&lang=en. Acesso em: 06 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1055/s-0041-1741536

BATISTA, José Eduardo et al. Fatores associados à presença de Candida spp. em amostras de fluido vaginal de mulheres residentes em comunidades quilombolas. Medicina (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 53, n. 2, p. 171-181, 2020. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1358211. Acesso em: 23 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i2p171-181

BORGES, Katia Regina Assunção et al. Adhesion and biofilm formation of candida parapsilosis isolated from vaginal secretions to copper intrauterine devices. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, São Paulo, v. 60, e59, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rimtsp/a/9QcHt8dpJm4MRtqCh9vvgBq/?lang=en. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-9946201860059

Acesso em: 12 mar. 2023.

BROWN, Sarah et al. The vaginal microbiota and behavioral factors associated with genital Candida albicans detection in reproductive-age women. HHS Public Access, Washington, v. 46, n. 11, p. 753-758, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31517769/. Acesso em: 25 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.1097/OLQ.0000000000001066

CARVALHO, Newton Sérgio et al. Protocolo brasileiro para infecções sexualmente transmissíveis 2020: infecções que causam corrimento vaginal. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 30(Esp.1), e2020593, 2021. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1679-49742021000500007&lng=pt&nrm=is#:~:text=O%20tema%20corrimento%20vaginal%20%C3%A9,Sa%C3%BAde%20do%20Brasil%20em%202020. Acesso em: 06 mar. 2023.

COSTA, Ellen Gilnaya Reis; CAMPOS, Ana Claudia Camargo; SOUZA, Álvaro Paulo Silva. Terapias para o tratamento de candidíase vulvovaginal. Referências em Saúde do Centro Universitário Estácio de Goiás, Goiânia, v. 3, n. 02, p. 61–67, 2020. Disponível em: https://estacio.periodicoscientificos.com.br/index.php/rrsfesgo/article/view/168. Acesso em: 08 mar. 2023.

DENNING, David et al. Global burden of recurrent vulvovaginal candidiasis: a systematic review. The Lancet Infect Diseases, Londres, v. 18, n. 11, p. 339-347, 2018. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(18)30103-8/fulltext. DOI: https://doi.org/10.1016/S1473-3099(18)30103-8

Acesso em: 06 mar. 2023.

DINIZ-NETO, Hermes et al. Antifungal activity of 2-chloro-N-phenylacetamide: a new molecule with fungicidal and antibiofilm activity against fluconazole-resistant Candida spp. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 84, e255080 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bjb/a/TLnLdPHT6zjBx6P99cf9RLj/abstract/?lang=en#. Acesso em: 26 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1519-6984.255080

ESPINHEIRO, Roberto de Faria et al. Aspectos da microbiota vaginal e a relação com a candidíase em mulheres gestantes: uma revisão de literatura. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 11, n. 1, e2911124704, 2022. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/download/24704/21596/291711#:~:text=Durante%20a%20gesta%C3%A7%C3%A3o%2C%20os%20n%C3%ADveis,et%20al.%2C%202020.

Acesso em: 12 mar. 2023.

FLOREZ, Yesid Fabian Mantilla et al. Candidiasis y Candida albicans. Boletín de Malariología y Salud Ambiental, Aragua, v. 61, n. 3, p. 391-400, 2021. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1400103. Acesso em: 10 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.52808/bmsa.7e5.613.003

FURTADO, Haryne Lizandrey Azevedo et al. Fatores predisponentes na prevalência da candidíase vulvovaginal. Revista de Investigação Biomédica, São Luís, v. 10, n. 2, p. 190-97, 2018. Disponível em: http://www.ceuma.br/portalderevistas/index.php/RIB/article/view/225/pdf. Acesso em: 10 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.24863/rib.v10i2.225

GONZÁLEZ, Nelvys Felipe et al. Factores de riesgo asociados a infección vaginal en mujeres embarazadas. Multimed. Revista Médica. Granma, Granma, v. 23, n. 3, p. 430-446, 2019. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/en;/biblio-1091285#:~:text=La%20presencia%20de%20infecci%C3%B3n%20de,infecci%C3%B3n%20vaginal%20en%20mujeres%20embarazadas. Acesso em: 05 maio 2023.

KLESIEWICZ, Karolina et al. Prevalence of closely related Candida albicans species among patients with vulvovaginal candidiasis in southern Poland based on the hwp 1 gene amplification. Polish Journal of Microbiology, Florianópolis, v. 72, n. 1, p. 69-77, 2023. Disponível em: https://sciendo.com/article/10.33073/pjm-2023-011. Acesso em: 17 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.33073/pjm-2023-011

LIMA, Janaina Souza de et al. Genotypic analysis of secreted aspartyl proteinases in vaginal Candida albicans isolates. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, São Paulo, v. 54, n. 1, p. 28-33, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbpml/a/tzCCF9FCcg5xhTFgFhBMymc/?lang=en. Acesso em: 26 maio 2023.

LINHARES, Iara Moreno et al. Vaginites e vaginoses. Femina Protocolo, Rio de Janeiro, v. 47, n. 4, p. 235-240, 2019. Diponível em: https://fi-admin.bvsalud.org/document/view/b2ncq#:~:text=Diante%20de%20m%C3%BAltiplas%20recorr%C3%AAncias%2C%20pode,durante%20quatro%20a%20seis%20meses.

Acesso em: 06 mar. 2023.

LÍRIO, Juliana et al. Antifungal (oral and vaginal) therapy for recurrent vulvovaginal candidiasis: a systematic review and meta-analysis. Revista Associação Médica Brasileira, Distrito Federal, v. 68, n. 2, p. 261-267, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ramb/a/nfQn5KXcbHcHYc9RghjChgH/. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9282.20210916

Acesso em: 06 mar. 2023.

LOPES, Samla Malini da Silva. Candidíase recorrente: uma revisão de literatura. Repositório institucional - INCA, Brasília, p. 1-23, 2019. Disponível em: hhttps://ninho.inca.gov.br/jspui/handle/123456789/11328. Acesso em: 20 mar. 2023.

NAHN JUNIOR, Edilbert Pellegrini et al. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente

Transmissíveis 2020: infecções entéricas sexualmente transmissíveis. Epidemiologia e serviço de saúde, São Paulo, v. 30(Esp.1), e2020598, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/jF9D3CZRDhY67NNxTPY37XC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 29 maio 2023.

OLIVEIRA, Diego Luan; SCHMIDT, Juliana Cristina. Espécies de candida causadoras de vulvovaginites e resistência aos antifúngicos utilizados no tratamento. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 14 Supl.1, e 8022, 2021. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/8022/6887.

Acesso em: 06 mar. 2023.

PAPON, Nicolas; NAGLIK, Julian. Candida vaginitis: the importance of mitochondria and type I interferon signaling. Society for Mucosal Immunology, Wiscosin, v. 14, p. 975-977, 2021. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41385-021-00424-4. DOI: https://doi.org/10.1038/s41385-021-00424-4

Acesso em 12 mar. 2023.

QUITO, Julia Maria Orellana; CÁRDENAS, Karla. Identificación y susceptibilidad de Candida spp. en el área ginecológica. Vive, Revista de Investigación em Salud, La Paz, v. 4, n. 11, p. 223-232, 2021. Disponível em: http://www.scielo.org.bo/scielo.php?pid=S2664-32432021000200223&script=sci_arttext Acesso em: 06 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.33996/revistavive.v4i11.97

ROTHER, Edna Teresinha. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 1-2, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/z7zZ4Z4GwYV6FR7S9FHTByr/. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Acesso em: 06 mar. 2023.

SANCHES, José Marcos et al. Laboratorial aspects of cytolytic vaginosis and vulvovaginal candidiasis as a key for accurate diagnosis: a pilot study. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, São Paulo, v. 42, n. 10, p. 635-642, 2020. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/RBGOZ42Z10Z-ZFinalZproof.pdf. Acesso em: 06 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1055/s-0040-1715139

SOARES, Dagmar Mercado et al. Candidíase vulvovaginal: uma revisão de literatura com abordagem para Candida albicans. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR, Cianorte, v. 25, n. 1, p. 28-34, 2018. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20181204_202650.pdf. Acesso em: 06 mar. 2023.

SOBRINHO, Andressa Aparecida Pereira et al. Fatores de risco para a candidíase vulvovaginal recorrente e a sua associação com a resistência aos antifúngicos. Revista Eletrônica Acervo Saúde, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 1-13, 2023. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/10462#:~:text=Considera%C3%A7%C3%B5es%20finais%3A%20A%20resist%C3%AAncia%20aos,a%20sa%C3%BAde%20integral%20da%20mulher. Acesso em: 05 maio 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

DANTAS ELIAS, C.; RODRIGUES TEIXEIRA, F.; GARCIA DE VASCONCELOS, L.; MAGALHÃES DE SOUZA LIMA, S.; HELENA RIBEIRO FAGUNDES DE SOUZA, L. Os principais fatores associados à candidíase vulvovaginal. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 8, n. 16, 2023. DOI: 10.47224/revistamaster.v8i16.482. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/482. Acesso em: 28 fev. 2024.