COMPORTAMENTO DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO SINAN DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19: um estudo descritivo no município de Araguari, Minas Gerais

Autores

  • Bianca Veloso Vidal de Oliveira IMEPAC
  • Ana Otávia Sousa da Silva Imepac
  • Bárbara Stéphany Teixeira e Silva Imepac
  • Lara Carrijo Pereira Imepac
  • Alex Miranda Rodrigues Imepac

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v7i13.320

Palavras-chave:

Dengue; COVID-19; Pandemias.

Resumo

A dengue pode ser apontada como a mais relevante arbovirose no mundo, essa patologia constitui-se um grave problema de saúde pública, de característica sazonal, dessa forma, sendo necessária a notificação compulsória para controle e estabelecimento de políticas de saúde. Em paralelo a isso, em março de 2020, no Brasil, os casos do novo coronavírus cresceram exponencialmente enquanto outras endemias, como a dengue, coexistiram no país em seus respectivos períodos de altas taxas de incidência, juntamente, com a extrema sobrecarga do sistema de saúde nesse período pandêmico. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo descrever o perfil epidemiológico da dengue no período pandêmico de 2018-2021 e avaliar se a pandemia influenciou na diminuição dos casos de notificações da arbovirose, no município de Araguari-MG. Acredita-se que os resultados do estudo possam evidenciar que existem alterações

epidemiológicas na endemia de dengue durante a pandemia de Covid-19. Trata-se de um estudo descritivo, quantitativo, observacional e transversal. Feito no município de Araguari, no ano de 2022. Os resultados mostraram um coeficiente de correlação r2=0,1969 e P=0,0299, logo, existe uma correlação negativa entre o número de casos notificados de dengue e o número de casos notificados de COVID-19 no período referido. Portanto, há uma pequena influência estatística verificada nos dados de notificação do SINAN do município de Araguari - MG entre as sindemias de Covid-19 e Dengue nos anos de 2020 e 2021, indicando que quanto mais casos de Covid-19 são notificados menos casos de Dengue são relatados junto ao SINAN.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Stéphany Teixeira e Silva, Imepac

Acadêmica de medicina do Instituto Master de Ensino Presidente Antonio Carlos.

Lara Carrijo Pereira, Imepac

Acadêmica de medicina do Instituto Master de Ensino Presidente Antonio Carlos.

Alex Miranda Rodrigues, Imepac

Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (1991), especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, além de ser especialista em Saúde da Família e Mestre em Doenças Infecciosas e Tropicais pela Universidade Federal de Mato Grosso. Possui doutorado em Infectologia e Tropicais na UFMG.

Referências

ANDRIOLI, D.C.; BUSATO, M.A.; LUTINSKI, J.A. Características da epidemia de dengue em Pinhalzinho, Santa Catarina, 2015-2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n. 4, 2020. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000400007

AQUINO, E.M.L. et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 25, n. 1, p. 2423-2446, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.1.10502020

ARAÚJO, V. E. M. et al. Aumento da carga de dengue no Brasil e unidades federadas, 2000 e 2015: análise do Global Burden of Disease Study 2015. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, n. 1, p. 205-216, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700050017

BARRETO, M.L.; TEIXEIRA, M.G. Dengue no Brasil: situação epidemiológica e contribuições para uma agenda de pesquisa. Estudos avançados, v. 22, n. 64, p. 53-72, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000300005

BRAGA, I.A.; VALLE, D. Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 16, n. 2, 2007. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742007000400007

BRASIL. Coronavírus e seu impacto no Brasil onda III. Revista Demanda: Pesquisa e Desenvolvimento de Marketing, 2020. Disponível em: https://docs.google.com/presentation/d/1fyg7puckbWR5lKT7xLJvp7w8crNbND_y/edit#slide=id.p10 Acesso em: 31 mai. 2022.

BRASIL. Lei n° 14.019, de 06 de fevereiro de 2020. Brasília, DF: Presidência da República, 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/L14019.htm#art2 Acesso em: 24 mai. 2022

BRASIL. Ministério da Saúde. Painel Coronavírus. 2022. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/ Acesso em: 24 mai. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano nacional de operacionalização da vacinação contra a Covid-19. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas causados por vírus transmitidos pelo mosquito Aedes (dengue, chikungunya e zika), semanas epidemiológicas 1 a 47, v. 52, 2021. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos/edicoes/2021/boletim_epidemiologico_svs_44-2.pdf Acesso em 08 jun. 2022.

BRASIL. Portaria 204, de 17 DE FEVEREIRO DE 2016. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0204_17_02_2016.html Acesso em: 08 jun. 2022.

CAVANY, S.M. et al. Pandemic-associated mobility restrictions could cause increases in dengue virus transmission. PLoS Negl Trop Dis, v. 15, 2021. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0009603

COTA, W. Mortes e casos de coronavírus nos municípios brasileiros. Disponível em: http://especiais.g1.globo.com/bemestar/coronavirus/2021/mapa-cidades-brasil-mortes-covid/mg/araguari/. Acesso em: 21 abr. 2022.

FURTADO, A.N.R. et al. Dengue e seus avanços. Revista Brasileira de Análises Clínicas, 2019;51(3):196-201. DOI: https://doi.org/10.21877/2448-3877.201900723

JÚNIOR , J. P. B. ; SANTOS , D. B. COVID-19 como sindemia: modelo teórico e fundamentos para a abordagem abrangente em saúde. Cad. Saúde Pública, v.37 ,n.10, p. 1-14, 8 out. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00119021

KHURRAM, M. et al. Apoptosis inhibitor of macrophage differentiates bacteria from influenza or COVID-19 in hospitalized adults with community-acquired pneumonia. Journal of Infection, v. 84, n. 4, p. 579-582, 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jinf.2021.12.027

LAGUARDIA, J. et al. Sistema de Informação de Agravos e Notificação: desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 13, n. 3, p. 135-147, 2004.

MELO, M.A.S. et al. Subnotificação no Sinan e fatores gerenciais e operacionais associados: revisão sistemática da literatura. Revista de administração da UEG, Goiânia, v.9, n.1, 2018.

NACHER, M. et al. Simultaneous dengue and COVID-19 epidemics: Difficult days ahead?. PLOS Neglected Tropical Diseases, v. 8, p. 1-8, 2021. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0008426

NASCIMENTO, C.S. et al. Impactos no perfil epidemiológico da Dengue em meio a Pandemia da Covid-19 em Sergipe. Research, Society and Development, v. 10, n.5, 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14544

OLIVEIRA, R, F; RODRIGUES, M, S; JUNIOR, A, C, O. A incidência de dengue nos verões de 2019 a 2021 nos bairros de Santa Cruz e Copacabana (RJ): uma análise da subnotificação de dengue no período pandêmico da COVID-19. XIV encontro nacional de pós-graduação em geografia. Editora realize, 2021. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/enanpege/2021/TRABALHO_COMPLETO_EV154_MD1_SA120_ID102004102021155516.pdf Acesso em: 02 jun. 2022.

OLIVEIRA, R.M.A.B; ARAÚJO, F.M.C.; CAVALCANTI, L.P.G. Aspectos entomológicos e epidemiológicos das epidemias de dengue em Fortaleza, Ceará, 2001-2002. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, n.1, 2018. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000100014

RAAFAT, N. et al. Diagnostic accuracy of the WHO clinical definitions for dengue and implications for surveillance: A systematic review and metaanalysis. PLOS Neglected Tropical Diseases, v. 15, n. 4, p. 1-21, 2021. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0009359

SANTOS, S.L. et al. Análise comportamental dos casos de dengue no Estado do Piauí no primeiro ano de pandemia do Covid-19. Research, Society and Development, v. 10, n. 5, 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.15105

SILVA, N.C.A., MOROÇO, D.M., CARNEIRO, P.S. O impacto da pandemia de COVID-19 no atendimento eletivo: experiência de um Hospital de nível terciário e Centro de Referência para a doença. Revista Qualidade HC, v. 2, 2020.

SKALINSKI, L.M., COSTA, M.C.N., TEIXEIRA, M.G.L. Contribuições da análise espacial para a compreensão da dinâmica de transmissão da dengue: revisão integrativa. J Health Biol Sci. v. 7, n. 1, p. 53-63, 2018. DOI: https://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v7i1.2115.p53-63.2019

SOUZA, D.N., GONÇALVES, N.C., PEDROSO, K.Z.A. Reflexões sobre a situação epidemiológica da dengue nas regiões do país em 2021. Archives of Health, v.3, n.2, p.487-492, 2022.

VELAVAN, T.P.; MEYER, C.G. The Covid-19 epidemic. Tropical Medicine and International Health, v. 25 n. 3, p. 278–280, 2020. DOI: https://doi.org/10.1111/tmi.13383

Downloads

Publicado

2022-08-24

Como Citar

VELOSO VIDAL DE OLIVEIRA, B.; SOUSA DA SILVA, A. O. .; TEIXEIRA E SILVA, B. S.; CARRIJO PEREIRA, . L.; MIRANDA RODRIGUES, A. . COMPORTAMENTO DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO SINAN DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19: um estudo descritivo no município de Araguari, Minas Gerais. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 7, n. 13, p. 44–50, 2022. DOI: 10.47224/revistamaster.v7i13.320. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/320. Acesso em: 22 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)