Comparação do perfil dos portadores de HPV nas capitais da Região Sudeste

Autores

  • Giovanny Carlo Oliveira Lima IMEPAC
  • Victor Wercelens IMEPAC
  • Mara Rúbia Franco Teixeira
  • Débora Vieira

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v7i14.203

Palavras-chave:

Infecções por Papillomavirus; Incidência; Comportamento de risco

Resumo

O papilomavírus humano (HPV) possui capacidade aumentada de proliferação. Um cenário de baixo investimento em pesquisas e campanhas voltadas a saúde das pessoas (com enfoque no HPV), bem como uma cultura cada vez mais banalizada de práticas sexuais desprotegidas, associada ao uso de drogas ilícitas e alta variabilidade de parceiros sexuais, contribui para o agravamento do acometimento da população. A partir desta problemática, o presente estudo objetivou analisar o perfil do portador de HPV nas capitais do Sudeste para, assim, correlacionar os achados com enfoque nos seguintes aspectos: sociodemográfico, hábitos de vida e comportamento de risco. Para tanto, foi realizado uma busca ativa por dados secundários, tendo o livro POP BRASIL como referencial. Foi constatada uma alta prevalência de infecção por HPV associando com gênero, as características socioeconômicas e os comportamentos de risco; verificando a desinformação em conjunto com fatores de risco associados como gatilhos para tal taxa. Por fim, foi demonstrado a necessidade de promover alternativas para correção de tal problemática, viabilizando novas políticas públicas com base nos estudos que indicam fatores de risco dos habitantes de cada região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, MNS et al. Conhecimento e percepção sobre o HPV na população com mais de 18 anos da cidade de Ipatinga, MG, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 849-860, 2018.
BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis. Informe Técnico Sobre a Vacina Papilomavírus Humano (HPV) Na Atenção Básica. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/junho/26/Informe-T--cnico-Introdu----o-vacina-HPV-18-2-2014.pdf. Acesso em: outubro 2019.
CRUZ, MNM, et al. Vacina HPV: Percepção de Adolescentes Atendidos em uma Unidade Básica De Saúde do Amapá. Enfermagem em Foco, v. 10, n. 2. 2019.
DE OLIVEIRA, MM, et al. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20. n. 1, p. 273-278. 2015.
DEV D, Lo Y, Ho GY, et al. Incidence of and risk factors for genital human papillomavirus infection in women drug users. J Acquir Immune Defic Syndr;2006;41:527–9.
EDUARDO KGT, MOURA ERJ, NOGUEIRA PSF. Conhecimento e mudanças de comportamento de mulheres junto a fatores de risco para câncer de colo uterino. Rev Rene 2012; 13(5):1045-1055.
Estudo Epidemiológico sobre a Prevalência Nacional de Infecção pelo HPV (POP-Brasil): Resultados preliminares – Associação Hospitalar Moinhos de Vento – Porto Alegre, 2017.
INCA -INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Os hpvs são facilmente contraídos. Rio de Janeiro: INCA, 2021. Disponível em: https://www.inca.gov.br/perguntas-frequentes/os-hpv-sao-facilmente-contraidos. Acesso em: 02 jun. 2021.
ISHIBASHI, MA, et al. HumanPapillomavirusinfection in menresiding in Brazil, Mexico, andthe USA. Salud pública de México, v. 50, n. 5, p. 408-418. 2008.
KOPS, NL et al. Factors associated with HPV and other self-reported STI coinfections among sexually active Brazilian young adults: cross-sectional nationwide study. BMJ open, v. 9, n. 6, p. e027438, 2019.
MBULAWA ZZA, VAN SCHALLKWYK C, HU NC, NC H, et al. High human papillomavirus (HPV) prevalence in South African adolescents and young women encourages expanded HPV vaccination campaigns. PLoS One 2018;13:e0190166.
MELO, J. Vulnerabilidades de adolescentes masculinos ao HPV em instituições escolares do município de Parnaíba–PI. Revista Interdisciplinar, v. 12, n. 1, p. 50-58. 2019.
MENEZES LJ, POKHAREL U, SUDENGASL, et al. Patterns of prevalente HPV and STI co-infections and associated factors among HIV negative young Western Cape, South African women: the EVRI trial. Sex Transm Infect 2018;94:55–61.
MIRANDA AE, RIBEIRO D, REZENDE EF, PEREIRA GFM, PINTO VM, SARACENI V. Associação de conhecimento sobre DST e grau de escolaridade entre conscritos em alistamento ao Exército Brasileiro. Brasil, 2007. Cien Saude Colet 2013; 18(2):489-497.
OLIVEIRA RG, MAGALHÃES SR, LIMA KP, FROTA NM. Aspectos sociodemográficos e ginecológicos de mulheres com neoplasia intraepitelial cervical de baixo grau. Rev Enferm UFPE 2014; 8(4):1002-1010.
PEDREIRA, PWF, et al. Percepção do homem em relação à infecção por papilomavírus humano–HPV. RevMed Minas Gerais, v. 25, n. 3, p. 322-329. 2015.
PETITO, G et al. Papilomavírus humano (HPV) em carcinomas de cavidade oral e orofaringe na região central do Brasil. HPV, BrazilianJournal of Otorhinolaryngology, p. 1-7, 10 jan. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bjorl/v83n1/pt_1808-8694-bjorl-83-01-0038.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.
REICHMAN, RR. Infecções por Papilomavírus Humano. In: KASPER, Dennis; FAUCI, Anthony. Doenças Infecciosas de Harrison. Porto Alegre: AMGH, 2015. P. 680-682.
SCHABATH MB, VILLA LL, LAZCANO-PONCE E, et al. Smoking and human papillomavirus (HPV) infection in the HPV in Men (HIM) study. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 2012;21:102–10.
UNEMO M, BRADSHAW CS, HOCKING JS, et al. Sexually transmitted infections: challenges ahead. Lancet Infect Dis 2017;17:e235–e279.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

CARLO OLIVEIRA LIMA, G.; OLIVEIRA WERCELENS, V.; RÚBIA FRANCO TEIXEIRA, M.; VIEIRA, D. Comparação do perfil dos portadores de HPV nas capitais da Região Sudeste. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 7, n. 14, 2022. DOI: 10.47224/revistamaster.v7i14.203. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/203. Acesso em: 18 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)