Aplicação da escala M-Chat pelos profissionais das UBSF’s: contraste entre teoria e prática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47224/revistamaster.v8i15.368

Palavras-chave:

Atenção Básica à Saúde, Transtorno do Espectro Autista, Escala M-CHAT

Resumo

Trata-se da importância do conhecimento da Escala M-CHAT e a sua aplicação nas consultas de puericultura na Atenção Primária, para verificar possíveis casos de TEA. Busca-se verificar se há aplicação do M-CHAT pelos profissionais de saúde médicos e/ou enfermeiros da Atenção Básica local e comparar com o parâmetro nacional a prevalência de crianças autistas. É um estudo observacional, descritivo, transversal e quali-quantitativo com a amostra de 24 médicos e enfermeiros das UBSF’s de Araguari-MG, com a análise estatística realizada pelo BioEstat 5.0.3. Obteve-se que: 54,17% da amostra são médicos, 79,20% não utilizam método de triagem para TEA; 66,70% desconhecem o M-CHAT; 83,30% não aplicam esse questionário nas consultas; 62,50% declararam correta a afirmativa a respeito da preconização do SUS sobre o rastreio do autismo; 91,70% desejam aprofundar os conhecimentos sobre essas escalas. O TEA é uma condição que afeta o desenvolvimento neuropsicomotor com prevalência aumentada nos últimos anos, sendo a escala M-CHAT o padrão-ouro para rastreio. Porém, observou-se lacunas entre a teoria e a prática e a maioria dos profissionais desconhecem ou não aplicam essa escala, mesmo acreditando que seja preconizada pelo SUS. Apesar disso, os profissionais em sua maioria se mostraram interessados em ampliar o conhecimento dessas escalas. A utilização do M-CHAT não é realidade na Atenção Básica. É importante que estudos futuros investiguem as limitações da aplicação do M-CHAT e identifiquem a prevalência local, para contribuir com a implementação de medidas que visem o cuidado aos indivíduos com TEA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARASTOO, Sara et al. The Relative Utility of Concurrent Sources of Information for Diagnosis of Autism Spectrum Disorder in Early Childhood. Front Pediatr. 2020; 8: 486. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7493686/pdf/fped-08-00486.pdf>. Acesso em 09 de novembro de 2020. DOI: https://doi.org/10.3389/fped.2020.00486

BRASIL. Atenção Básica. Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), 2021. Disponível em: <https://pensesus.fiocruz.br/atencao-basica>. Acesso em 25 de fevereiro de 2021.

BRASIL. Caderno de Atenção básica - Rastreamento. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Vol. 29. 2010. p. 95. Acesso: 24 out. 2021. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_primaria_29_rastreamento.pdf

BRASIL. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Brasília, 2014. 88 p.

BRASIL. Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 set. 1990b. Seção 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm>. Acesso em 25 de fevereiro de 2021.

BRASIL. Lei nº 13.438, de 26 de abril de 2017. Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para tornar obrigatória a adoção pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de protocolo que estabeleça padrões para a avaliação de riscos para o desenvolvimento psíquico das crianças. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13438.htmhttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13438.htm>. Acesso em 25 de fevereiro de 2021.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990a. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/crianca-e-adolescente/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-versao-2019.pdf>. Acesso em 25 de fevereiro de 2021.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Julho, 1990. Acesso: 24 out. 2021. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

BRASIL. Linha de cuidado para a atenção às pessoas com transtornos do espectro do autismo e suas famílias na Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Brasília, 2015. 156 p. Acesso: 24 out. 2021. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/linha_cuidado_atencao_pessoas_transtorno.pdf

BRASIL. PNAB - Política Nacional de Atenção Básica. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Brasília, 2012. 114 p. Acesso: 24 out. 2021. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

CARVALHO, Felipe Alckmin et al. Rastreamento de sinais precoces de transtorno do espectro do autismo em crianças de creches de um município de São Paulo. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 144-154, ago. 2013.

GENYUAN, L. LEE, O. RABITZ, H. High efficiency classification of children with autism spectrum disorder. PLoS One. Feb. 2015; 13(2):e0192867. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29447214/>. Acesso em: 05 de novembro de 2020.

IRWANTO et al. “Emotional and Behavioral Problems of Pre-school Children with Autistic Spectrum Disorder Assessed by the Child Behavior Checklist 1½-5.” The Kobe journal of medical sciences, Vol. 64, No. 5, pp. E170-E173, 2018. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6668586/pdf/kobej-64-e170.pdf>. Acesso em 09 de novembro de 2020.

JIN, Yan et al. “Identification of infants at high-risk for autism spectrum disorder using multiparameter multiscale white matter connectivity networks.” Human brain mapping vol. 36,12 (2015): 4880-96. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4715721/pdf/HBM-36-4880.pdf>. Acesso em 09 de novembro de 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/hbm.22957

LI, G., LEE O., RABITZ, H. “High efficiency classification of children with autism spectrum disorder.” PLoS One. vol. 13(2). Feb. 2018. pp. 1–23. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0192867

LORD, C. et al. Transtorno do Espectro do Autismo. Revista Lancet. Ago. 2018; 392 (10146): 508-520. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30078460/> Acesso em 02 de novembro de 2020.

MAMMEM, M., MOORE, G., SCARAMELLA, L. et al. Infant avoidance during a tactile task predicts autism spectrum behaviors in toddlerhood. Infant mental health journal, vol. 36, ed. 6, p.575-587, 2015. DOI: https://doi.org/10.1002/imhj.21539

MANWARING, S. S. et al. Modelling gesture use and early language development in autism spectrum disorder. Int J Commum Disord. Sep, 2017; 52 (5): 637-651. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28120370/>. Acesso em: 06 de novembro de 2020.

PARMEGGIANI, A., CORINALDESI, A., POSAR, A. Características iniciais do transtorno do espectro do autismo: um estudo transversal. J. Ital. Pediatric. Nov. 2019; 45 (1): 144. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31727176/>. Acesso em: 02 de novembro de 2020.

POSAR, A. VISCONTI, P. Is It Autism? Some suggestions for pediatricians. Review Turk Pediatri Ars. Sep. 2020; 23;55 (3): 229-235. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33061749/>. Acesso em: 04 de novembro de 2020.

POSAR, A. VISCONTI, P. Resultado a longo prazo do transtorno do espectro do autismo. Review Turk Pediatri Ars. Dez. 2019. 54 (4): 207-212. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31949411/>. Acesso em: 06 de novembro de 2020.

RAI, D., CULPIN, I., HEUVELMAN, H., et al. Association of Autistic Traits With Depression From Childhood to Age 18 Years. JAMA Psychiatry, vol. 75, ed. 8, p.835-843, 2018. DOI: https://doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2018.1323

RHOADES, A., SCARPA, A., SALLEY, B. The importance of physician knowledge of autism spectrum disorder: results of a parent survey. BMC Pediatr. vol. 7:37. Nov, 2007. DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2431-7-37

SANCHACK, E., CRAIG, T. “Autism Spectrum Disorder: Primary Care Principles.” Am Fam Physician. vol. 94,12 (2015), pp. 972-979.

SANCHACK, K.E. THOMAS, C. A. Autism Spectrum Disorder: Primary Care Principles. Review American Family Physican, Dec. 2016 15, 94 (12): 972-979. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28075089/.> Acesso em 03 de novembro de 2020.

SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento. Manual de Orientação: Transtorno do Espectro Autista. SBP; Abr. 2019. Acesso: 20 de novembro de 2020. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21775d-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo__2_.pdf.

SCHAEFER, G., Clinical Genetic Aspects of ASD Spectrum Disorders. International journal of molecular sciences, vol. 17, ed. 2, p. 180, 2016. DOI: https://doi.org/10.3390/ijms17020180

STEPHENS, Rebecca L. et al. “Infant quantitative risk for autism spectrum disorder predicts executive function in early childhood.” Autism research: official journal of the International Society for Autism Research vol. 11,11 (2018). Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6248885/pdf/nihms-995123.pdf>. Acesso em 09 de novembro de 2020 DOI: https://doi.org/10.1002/aur.2024

STEYER, Simone; LAMOGLIA, Aliny; BOSA, Cleonice Alves. A Importância da Avaliação de Programas de Capacitação para Identificação dos Sinais Precoces do Transtorno do Espectro Autista – TEA. Trends Psychol., Ribeirão Preto, v. 26, n. 3, p. 1395-1410, 2018.

WEISMER. S., KOVER, S. T. Preschool language variation, growth, and predictors in children on the autism spectrum. J. Child Psychol Psychiatry. Dec, 2015; 56(12):1327-37. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25753577/>. Acesso em: 30 de outubro de 2020. DOI: https://doi.org/10.1111/jcpp.12406

Downloads

Publicado

2023-07-14

Como Citar

MAYA CARVALHO, M.; SOUZA MATOS, M.; GONÇALVES DE HOLANDA ARAÚJO, C. C.; THOMAZINI, M. G.; CAMPOS VIEIRA, L. M.; RIBEIRO SOUTO, R. .; DOS SANTOS, Z. J. Aplicação da escala M-Chat pelos profissionais das UBSF’s: contraste entre teoria e prática. Revista Master - Ensino, Pesquisa e Extensão, [S. l.], v. 8, n. 15, 2023. DOI: 10.47224/revistamaster.v8i15.368. Disponível em: https://revistamaster.imepac.edu.br/RM/article/view/368. Acesso em: 21 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)